Arquivos da categoria: Crônicas

Crônica – Todo Mundo Sempre Soube. Todo Mundo, não…

Considero minha inteligência média.

  • Se houver onze pessoas, eu vou ser mais inteligente do que cinco e cinco serão mais do que eu.
  • Ou se for estabelecida a média do QI dessas dez pessoas,  o meu vai estar bem próximo.

Entretanto, o que eu sou desligado e ingênuo é  coisa astronômica.

A família inteira, desde sempre,  desconfiou, aliás, tinha certeza, de que aquele nosso parente era gay.  Eu o considerava assexuado.  Minha impressão  era de que mulher não fazia a menor falta para ele; tampouco  homem.

Achava que  não se importava com sexo e ponto.

Quando ele  soube que eu ia passar  o Carnaval fora, pediu minha casa emprestada porque precisava pintar o seu quarto. Concordei, afinal, mais do que parente, parente,  é meu amigo:

– Luís, não vai  trazer a mulherada aqui pra casa, viu?

– Fica tranquilo, Paulo.

Falei só pra levantar a moral dele e ele pareceu gostar das minhas palavras.  Fiquei contente por, além de solucionar o problema de hospedagem,  demonstrar que apostava no seu poder de sedução.

Dentre as manias que eu tenho, não, não é só entrar no chuveiro cantando a mesma canção, tampouco  só pedir o cinzeiro depois de a cinza no chão, como personagem da música;  mesmo porque não canto ou fumo.

Minha mania é sempre, sempre,  voltar de viagem antes do prazo estipulado.

E não seria diferente daquela vez.  Corrigindo,  foi diferente daquela vez.  Quero dizer,  50% diferente.  Os cinquenta por cento semelhantes:  voltei mais cedo.

E os 50% inéditos.  Cheguei lá pelas  duas e meia da tarde em casa. Silêncio absoluto.  Assim, fui subindo para o meu quarto. Abro a porta devagar.

O Luís  e um sujeito dormindo nus.    N U S    E    DE         CON-CHI- NHA!

Fechei a porta do quarto, desci a escada sem fazer o mais ínfimo ruído,  peguei minha mala de volta,   e fui pro cinema.

Na volta pra casa, já tratei de ir buzinando e metendo a mão na campainha.

–  Paulo, cê chegou mais cedo.  Que ótimo!

– Cheguei.  Na verdade, cheguei   B E M     M A I S     C E D O!

E nunca, em tempo algum,  toquei no assunto, com ele,  e, menos ainda, com qualquer parente.

Crônica – Um excelente Jantar.

Faz tempo que não posto aqui e decidi bem nesse momento de polêmica incandescente.

Não, mas não é para entrar nessa,  é apenas para contar um episódio eleitoral.

Lá vai:

Domingo dia da eleição Collor x Lula.  Havia combinado de ir com meu pai e os amigos dele jantar no Forcheta D´Oro.   Desde sempre,  eles jogaram um pôquer baratinho, depois de terem almoçado com as famílias.

No grupo,  eleitores de Lula e Collor.  Lógico, velhos, falando de política, aquela discussão em voz alta.  Meu pai tinha verdadeira ojeriza a   desrespeitar o direito do próximo, ainda que infimamente.  Assim, na hora de sairmos para o restaurante, ele deixou  claro.

– Bem, não vamos mais discutir política.  Haverá outras pessoas no restaurante e não podemos incomodar ninguém.

Todos concordamos.

Um quarteirão antes de chegar, reluzente no estacionamento, todos vimos  um dos Mercedes do saudoso Mário Ferman,  médico pernambucano amigo nosso.  O carro estava coberto, literalmente coberto, de propaganda do Collor.  Mário, além de falar “pernambucano”, com sotaque carregado, falava muito, muito,  alto, sobretudo a respeito de política.

Como no nosso grupo havia alguns eleitores do Lula, ele nos saudou, falando, corrijo, gritando:

– P E R D E R AM!    P E R D E R A M!

E o Mário não parou mais de gritar.

Uma hora depois,  sai de outra sala  um senhor de uns 80 anos com a mulher, a filha e o neto.  Ele  pára na nossa mesa e diz:

– Espero que os senhores tenham excelente jantar.

O que ele quis dizer era óbvio:

– Espero que os senhores tenham excelente jantar, coisa que vocês não permitiram a mim e à minha família.

Pois não é que o Mário, sempre que nos encontrava , fazia questão de se lembrar do episódio, inclusive repetindo a frase que o  senhor falou e, lógico, sem jamais se esquecer da parte engraçada –  Coisa que vocês não permitiram a mim e à minha família.

Sarita, diretora de prestigiado colégio judeu,  me contou há cerca de um ano que o Mário havia morrido.

Tenho absoluta certeza de que, logo mais,  Mário, meu pai e os amigos dele, após o joguinho de pôquer , vão comer um macarrão  na filial do Forcheta no Céu.  E os vizinhos de mesa vão achar que estão no inferno dos decibéis; entretanto  todos irão se divertir muito e, o principal, ninguém vai brigar com ninguém por causa de política.  Ainda em relação ao barulho, torço para que os fregueses das outras mesas sejam generosos  e pacientes como a  família que jantou sob a mais  pavorosa trilha sonora naquele domingo  de 1989.

PERSONALIDADE?

Quando se é jovem, todo o tempo do mundo ao nosso dispor.

Assim, o Mário, meu amigo desde o início dos anos 70, que morava na Rua Bolívia, pouco depois de nos conhecermos no colégio,  sem me avisar, sem nada, saiu a pé para a minha casa, vizinha  ao Shopping Iguatemi.  Não viu meu carro na porta,  nem tocou a campainha e, como dizia meu querido e saudoso irmão Beto, voltou pra trás.

Cinco horas da tarde de uma quinta-feira em março deste ano, eu     já havia chegado ao lugar  onde teria uma aula às 19,30.  Embora já não fosse mais  jovem, muito pelo contrário,  tinha um monte de tempo antes de o curso começar.  Fui a pé  visitar o Mário, no escritório dele, em frente ao  Shopping Eldorado da Rebouças.

Chego lá;  não, não é que  ele não estivesse.  O Mário  havia, isso sim, se  mudado de escritório.  No dia seguinte,  mandei-lhe mensagem comentando que se passaram trinta e cinco  anos para  conseguir me  dar o troco.  Ele respondeu de forma divertida,  enaltecendo minha prodigiosa memória.

Errar é humano, persistir no erro é personalidade,  uma das inúmeras frases minhas,  contrariando  provérbios.  Acontece que os ditos populares têm sabedoria de um povo,  suporte de uma cultura.  Já  minhas frases,  jogando confete em mim mesmo, o que, segundo Lila, conhecida minha,    faço com perfeição,  limitam-se a  tecer críticas  com alguma  perspicácia.

Mal se passou um mês, e eu de novo em visitas sem avisar.

Persistir no erro é personalidade, é?  Vai nessa,  Paulinho das Frases, vai !

Lógico, que eu vou, já que  adoro minhas frases.

Comecinho de noite de sábado, coincidentemente, eu em frente à casa do Pedro, meu parente de sexualidade um pouco ambígua.

Da calçada,  grito  seu nome.

–  Nossa, como cê chegou cedo!   Espera um minutinho que eu tô indo pro quarto e você pode entrar e subir.

Cheguei cedo?  Indo pro quarto? Posso entrar e subir?   Que história é essa?

Entro,  chamo por ele e digo que estou subindo.

–  Sobe logo, Maurício, sobe!

Maurício?

Abro a porta do quarto e o Pedro   com um micro shorts de redinha  e um colant, ambos pretos.   No colant,  arco-íris que não tinha fim;  na mão esquerda,   chicotinho.

– Paulo, é você?

Para não encompridar muito a conversa,   respondo com voz pausada e calmamente:

–  Sim, sou eu.   Que roupa legal, Pedro!

Rimos muito, mas na hora em que o Maurício chegou, fui-me embora.   Vai que eles me convidam pra participar daquele amorzinho gostoso.  Eu, hein?!

MEU QUERIDO E SAUDOSO PAI

Quando meu pai morreu, há quase cinco anos,  postei aqui no Trombone um texto em homenagem a ele e alguns outros em que ele era personagem central, além de suas frases dele.   A respeito das frases, na ocasião, uma leitora comentou: “agora já entendi, filho de peixe, peixinho é”.

Em homenagem ao dias dos pais, posto novamente.

Então, pra começar, as frases. Depois, duas crônicas minhas e, para terminar, belíssimo Poema da  querida Roberta Estrela D´Alva, que ela leu ontem na abertura do Zap e dedicou à memória do meu paizito.

As frases dele;   curioso, que bem a primeira é sobre velório.

  • O velório é a única solenidade em que o homenageado está impedido de se manifestar.
  • Minha mãe foi a última dona de casa que conheci.
  • “Nossos problemas acontecem porque nos levantamos da cama.”  Alguns,  porque nos deitamos na cama.
  • Com um ponto de apoio, Arquimedes seria capaz de levantar o mundo; com apoio moral, entretanto, não se levanta nem pensamento.
  • Se Deus fosse mesmo brasileiro, imagina  o que seria do Mundo!!!
  • O sujeito velho tem muita coisa pra contar e mais ainda para não contar.
  • O pior da festa é esperar por ela.
  • Quem canta seus males – Espanta!!! – É diferente do que já existe,  observe a pontuação.
  • Para Bolsa de Valores  despencar, basta um peido mais forte no pregão. (apesar de ele, tampouco eu, jamais termos aprovado o mau gosto, a frase é boa e verdadeira.)

As frases acabaram-se.

Agora os episódios que são o retrato escrito dele, pintado/digitado  por este escriba,  que tão bem o conhecia.

Episódio 1: Hiram, Édipo e Genoefa

Os amigos do meu pai dos tempos de São Francisco o definiam assim:

– O Hiram entra no restaurante e já vai logo pedindo, de uma só vez, filé bem passado com fritas, coca-cola, pudim de caramelo de sobremesa e troco para 10 mil Réis.

Quando eu ainda morava com ele, chego em casa e ele me diz:

– Paulo, o Mário ligou e disse que o pai do Fábio morreu.

Eu perguntei onde era o velório. Meu pai disse que o Mário não falou nada sobre velório. Ligo pro Mário e pergunto se ele estava a fim de me encher para deixar um recado que o pai do Fábio morreu e não informar onde era o velório.

O Mário reproduz para mim o diálogo com meu pai:

– Dr. Hiram, tudo bem? O Paulo está?
– Não, o Paulo não está!!!
– O senhor diz para ele que o Pai do Fábio morreu.
– Tá bom, eu digo!!!
– Mas dr. Hiram….
– Já entendi, o pai do Fábio Morreu
– Mas dr. Hiram…..
– Mário, eu não sou burro. O pai do Fábio morreu. Tchau!!!
E bateu o telefone (meu pai é muito educado; a aflição, entretanto, é infinitamente maior…)

Faz uns 25 anos que não moro mais com ele. Ou seja, isso se passou um quarto de século atrás. Imaginem, pois, como está o homem hoje, aos 86 para 87 anos de Idade!!!!

Esqueci de falar, talvez tenha ficado ansioso por osmose – o teclado por estar escrevendo sobre meu pai me passou ansiedade – meu pai é um sujeito brilhante, muito inteligente, lê bastante e usa o computador como um garoto de quinze anos.

Genoefa é a versão feminina e bem mais jovem do meu pai. Eu a conheci – há uns três anos – na entrada dos cines Belas Artes. Eu ia a um filme e ela, a outro. Trocamos meia dúzia de palavras. Na saída, eu devo tê-la impressionado muitississississimo mesmo porque ela estava me esperando. Genoefa e meu pai não são de esperar!!! Coisa alguma, pessoa alguma!!!!  A aflição os mata a ambos. São daquele tipo de pessoas que se jactam de fazer no mínimo três coisas ao mesmo tempo. Eu, ao contrário, fiz foi uma frase sobre isso:

Duas coisas fáceis ao mesmo tempo tornam-se difíceis e uma delas sai errado.
Outra coisa em comum – essa muito favoráveis aos dois, pois prova que são de muito bom gosto:

Eles têm uma “obsessão obsessiva” por mim!!!!

Parece divertido, né???? Mas queria ver qualquer outro no meu lugar !!!

Liás (sem aspas) Genoefa acabou de telefonar neste exato instante em que eu escrevia esse parágrafo – não tinha novidades, mas ficou 15 minutos falando!!!

Tivemos um namoro rápido e uma amizade colorida (essas coisas não terminam, né???).

O dia em que a Psiquiatria/Psicanálise descobrir meu pai, a Genoefa e eu, seremos colocados em uma espécie de carro forte de banco para que nada nos aconteça até que seja estudado exaustivamente o fenômeno que me acometeu:

Envolver-me – não com uma mulher que lembre minha mãe – mas com uma que é meu pai terminado.

Eu sou um Édipo Viado!!!!!!!!

+++++++++++++++++

Episódio 2 – EDMUNDO

De 21.09.06

Segunda-feira, há alguns anos, por volta das 13 horas.

No Domingo, o Edmundo fora expulso com toda a pompa que seu nome requer. Muitas pernadas pra todo lado, um monte de polícia pra retirá-lo do campo, mais tentativas de pernadas nos policiais e assim por diante. Não tenho nada contra esportistas irreverentes, audaciosos e temperamentais. Pelo contrário, sou fã do John McEnroe, Nélson Piquet, entre outros. Também admiro esportistas bem comportados, é verdade. Aliás, faço restrição a poucas celebridades. Jogador de futebol, propriamente dito, só me lembro de um que realmente não agüento. Um dia posso escrever alguns episódios sobre ele.

Voltando ao Edmundo e àquela segunda-feira.

Estava com meu pai em um super-mercado de porte médio. Meu pai foi pagar as contas dele em um caixa e eu estava no caixa diametralmente Oposto. Meu pai é um homem de 85 anos, de ótima cabeça e das pessoas mais educadas do mundo. Fala muito alto, como todo velho, é verdade. Apesar de extremamente educado e tratar os humildes com imensa consideração (aliás, trata bem todo mundo), vira uma verdadeira fera se é alvo de qualquer arrogância e ou estupidez. E parece que arrogância e estupidez eram os grandes atributos do gerente que foi atendê-lo.

Pois bem, meu pai não deixou barato. Com toda a razão, começou a gritar e a esbravejar com o tal gerente.

A moça do Caixa que estava me atendendo falou rindo para todos à sua volta:

– Ih gente, olha lá o Pai do Edmundo!!!!!!

Peguei meu troco às gargalhadas com a definição da mulher. Sem dizer nada, evidentemente.

Meu pai se diverte até hoje contando essa história para todo mundo. Eu, por minha vez, ganhei um irmão famoso!!!!
+++++++++++++++++++++++++

Para terminar,  o Deslumbrante Poema da Deslumbrante Roberta Estrela D´Alva que ela leu ontem no Zap  e dedicou ao meu Pai.

Dança da morte –
Roberta Estrela D’Alva

Boom , e acabou
ou começou
o que restou
o que ficou
dor que chegou
dor que findou
roda girou
vento levou

a vela apagou
a chama ascendeu
a voz se calou
o corpo desceu

a saudade no peito não para, não cala , não sara
insiste não quer parar.

mas já sabíamos desde o começo
que essa vida é curta e tem seu preço
e o que vem depois eu desconheço
embora soubesse o fim já  desde  o berço

que a cada minuto, a cada segundo,
a cada palavra, a cada oração
caminhamos direta e inexoravelmente  nessa direção
e são tantas histórias
e são tantas feridas
e são de saudade
as lágrimas quentes agora vertidas
injustiças, inverdades, cometidas e ditas
pela não compreensão
da eternidade, da imortalidade
pela falta de fé e  ilusão
pois o retorno é inevitável
são só dois lados do mesmo som
morte e vida , vida e morte
matérias primas de toda criação

a carne se desfaz mas o espírito não
o flow  da vida segue,  o beat não para, só coração

a carne se desfaz mas o espírito não
o flow da vida segue, o beat não para, nem o coração!

+++++++++++++++++++++

Que ele esteja bem lá no Céu e descanse de tanta correria aqui na Terra!!!

Beijo, Paizito Querido.

Fique com Deus, com seus amigos,  nossa família, mas dá sossego pra todo mundo aí cima, viu???

Garrafa de Champagne

Mesmo com o preço camarada que o Toninho Mariutti,   banqueteiro de nove em cada dez  milionários paulistanos , cobrou, já que estudamos juntos no Ginásio, o  jantar para meu chefe,  a mulher,  eu e minha namorada saiu uma fábula.

Tudo na  vida é relativo.  Para qualquer um da Fiesp, aquilo era dinheiro de Pinga;  para mim,  suficiente para eu viver bem umas três semanas.

Mas era bom investimento:  o cargo de Diretor de Comunicação estava em Jogo.

Perfeição  discreta  nos mínimos detalhes.     Cardápio do Jantar,  em pergaminho,   escrito por  calígrafo ao lado dos prato de cada um dos convidados. Quatro taças:  para a água,  para o Jerez que acompanharia o melão com presunto cru;  a terceira para o Quinta da Bacalhoa para o bacalhau ao forno com arroz, batata ao murro e brocoli e a última para o Vinho do Porto 20 anos, que harmonizava à perfeição com os mini doces portugueses da sobremesa.

Na sexta, a mesa foi posta e coberta com uma toalha.

Chegou o sábado, chegou minha namorada, chegaram meu chefe e a mulher.  E, logo depois,  sem aviso,  sem nada, chegou  o Marcílio.  Mal  o interfone tocou e ele já estava com o dedo na Campainha.

Abro a porta.

–  Ora, uma festança dessas e você nem me convidou.

– Marcílio,  esse jantar é para o meu chefe  Roberto e Renata, mulher dele.

–  Paulo, onde comem 4, comem 5!  Junta mais os pratos que vou colocar um lugar para mim.

– Divertido seu amigo, Paulo. Boa ideia ele jantar conosco.

– Tá vendo, como eu sou aceito por todos.

– Jantar com chefe tem que ter Champagne, vou à geladeira pegar a garrafa que eu trouxe no Natal e não abrimos.

–  Marcílio, não, não.  Não chacoalha a Garrafa.

– Tem que estourar.  Um, dois, três.

A garrafa estava apontada na direção  da Renata.  Champagne por todo o colo dela e a rolha bem na sua testa.

– Vou à cozinha pegar sal para colocar nesse galo e já trago um pano de prato, disse Marcílio.

Quando demos pela coisa, ela já tava  passando sal na testa da Renata e o pano enxugava o champagne do Decote.

– Vou voltar para a cozinha e re-organizar o jantar.  Repetindo, onde comem 4, comem 5.

– Pensando bem…     ia continuar  Roberto

– Pensando bem, nada como o inesperado para dar sal ao Bacalhau.  Sal ao Bacalhau!  Gostaram dessa?

Quatro pratos de Pirâmides de melão entremeadas de Presunto Cru foram transformados em  cinco gororobas.

–  Esse é um clássico da gastronomia que nunca sai de moda.  É sempre uma delícia,  ainda  que o visual não esteja lá essas coisas,  não é mesmo, galera?

– É!  em uníssono!

– Terminem aí o melão, que eu vou cuidar do bacalhau.

– Não, não, protestou  Ana Cristina, minha namorada.

Faço questão.

Cinco minutos depois, ele aparece com uma imensa travessa.

– Vejam, criação minha:  risoto de bacalhau,  misturado com florzinhas de brócolis e pedacinhos de batata!  Não tá lindo?

– Faço questão de servir.

– Primeiro, a vítima da minha rolha mortífera, e dá uma gargalhada.

Para cada um que servia, uma piadinha.

– Atenção, atacar!

Pega uma azeitona do bacalhau, coloca entre os dentes e morde.  O caroço foi parar no olho  do meu chefe.

Enfurecido,  Roberto, levanta-se e, em voz alta, anuncia:

– Chega. Vamos embora.  Paulo, se ainda quiser ser diretor de alguma coisa, acho melhor cê procurar em outra empresa.  Marcílio,  vamos   patrocinar uma ONG que cuida de crianças excepcionais e você vai ser contratado para ser o Primeiro  Pallhaço   em Tempo integral.

Saiu e bateu a Porta.

–  Paulo, cê viu como eu agradei?

– Cala boca, Marcílio. Senão eu pego aquela rolha e coloco,  você sabe onde.  Aliás, acho que vou preferir a sua Garrafa de Champagne!

A “Minha” Padaria Foi Parar na CBN

Um ano atrás, no quadro São Paulo – Conte sua História, da Rádio CBN,  foi  brilhantemente interpretado por Milton Jung crônica minha  a respeito da Padaria vizinha de casa e suas personagens. Se quiser ouvir, clique aqui

Vale a pena.  Modéstia parte, o texto é legal, com a “brilhante interpretação de  Milton Jung”, efeitos de sonoplastia, ficou excelente.

Curiosidade.  Havia enviado a crônica  para o São Paulo – Conte sua História em Dezembro. Passaram Natal, Reveillon, Dia de Reis e nada.  No dia 24 de janeiro, chego em casa à noite,  email de Milton Jung me avisando que meu texto iria para o ar no dia seguinte em Programa Especial em Homenagem a São Paulo.

Paulistano que adora São Paulo, fiquei muito feliz e orgulhoso.

Suponho que quem ouvir vá gostar.

João Gilberto, João Gilberto…

Capa da  Veja que está nas bancas traz o cantor João Gilberto. Embora tenha a revista em casa, ainda não li.  Pelo título e legenda, a reportagem é sobre problemas enfrentados pelo artista: “O DRAMA DE UM GÊNIO BRASILEIRO”.

Gosto muito do estilo de ele cantar, sobretudo por ser suave, sem o mais mínimo arroubo de grandes interpretações.  Mas sempre o considerei meio chato.  Aliás, quando começaram esses programas de TV em que o público votava,  uma das questões era:  João Gilberto, é um gênio ou um chato?  O público vou maciçamente em chato.

Lá vão dois episódios.

Mil anos atrás, namorada que trabalhava na Grande Imprensa ganhou dois convites para show dele.  Ela me convidou, eu fui.

Pois bem, lá pelas tantas, entre uma e outra canção, João Gilberto diz:

-Ar condicionado, ar condicionado.

Foi incapaz de falar mais uma única palavra que fosse:  ou que estava forte, ou fraco, ou barulhento.

Reinaldo, conhecido meu desde os tempos de infância, já que éramos vizinhos,  é sócio de uma Casa de Espetáculos aqui em São Paulo e estavam abrindo uma filial.  O convidado para inaugurar a nova casa era exatamente o João Gilberto.

Perguntei ao meu conhecido se ele e os sócios  não tinham medo que o artista aprontasse alguma e pusesse tudo a perder.

Meu amigo:

-Ele não é louco de fazer isso.  Se ele fizer a menor gracinha, nossos advogados acabam com ele.

Pois bem, o João Gilberto fez das suas e não fez o show.

No dia seguinte, liguei para a casa do meu conhecido.  Atendeu a empregada.  Pedi que ela desligasse o telefone e ligasse a secretária para eu deixar recado.  Ela disse que não havia secretária eletrônica.  Percebi que era uma mulher  com condições de transmitir o que eu lhe pedisse e falei:

–  Por favor, fala para o Reinaldo que o Paulo Mayr ligou e disse apenas o seguinte:  Eu bem que avisei.

Meu conhecido chega em casa, com alguns amigos e amigas,   a eficiente empregada diz:

– O Paulo Mayr ligou e disse apenas o seguinte: eu bem que avisei.

O Reinaldo mesmo me contou que os amigos dele morreram de rir.

MEIA HORINHA

Semana Passada, fiz crônica sobre episódio que aconteceu comigo há muitos anos. Acho que ficou legal. Espero que os leitores do Trombone concordem comigo.

++++++++++++++++++++++++++++

A guia pegou o microfone do ônibus e propôs que não fizéssemos aquela última parada antes de chegar a Barcelona.  Disse-lhe, e para a todos os passageiros,  que eu estava precisando ir ao banheiro.  Ela garantiu que em meia hora chegaríamos.

– Ah, meia hora.  Meia hora,  eu posso esperar.  Mas não vai passar muito disso, vai?,   perguntei em horrendo  portunhol.

Em tenebroso espanhês,  ela me garantiu  que, na pior das hipóteses, a viagem demoraria, no máximo,  quarenta minutos.

Concordei.

O trânsito não estava pesado, o motorista desenvolvia excelente velocidade, mas Barcelona  teimava em não chegar. Uma hora e meia depois, continuávamos em boa velocidade e nada de Barcelona, tampouco o ABC espanhol, ou periferia de  Barcelona.  Estrada, só estrada, que ia muito além do horizonte.

– Há quase duas horas,  você me disse que chegaríamos; o motorista está na velocidade máxima permitida  e não vejo, sequer,  placas com menção  a Barcelona;   argumentei com início de dolorosa sensação de bexiga explodindo.

A guia  garantiu  que mais quinze minutos chegaríamos.

O motorista fez uma cara esquisita.

Eu reiterei  que não aguentava mais.

À esquerda do ônibus, gigantesca ruína de uma cidade e a guia descrevendo detalhes.

– Olha, eu murmurei…

Ela:

– Não me interrompas – gritou,  enfática,   ao microfone.

Termina de descrever a maldita da ruína e pergunta o que eu queria.

Gemendo, respondi:

– Nada, era só pra dizer que em frente à “sua ruína”, na nossa mão,  havia gigantesco posto e, óbvio, banheiros.  Mas, agora,   ficou lá pra trás e, junto com eles, meu sonho…

Mesmo morrendo de pena de mim, vários passageiros riram.

Finalmente,  hotel de  Barcelona.

Minha bexiga estava a tal ponto que eu mal conseguia andar.   Descer a escada, então, martírio absurdo.  Finalmente,  a calçada.  Entre a porta do ônibus e o banheiro, demorei bem uns cinco minutos me arrastando.

Acho que fiquei cerca de  sete minutos urinando sem parar.

No Hall do Hotel, alguns americanos,  que estavam comigo no ônibus,  vieram me dar parabéns pela maneira elegante com que eu aguentei  ser tão enrolado pela guia mentirosa. Dois deles  garantiram que, em meu lugar, teriam urinado no ônibus.

Até hoje, todas as vezes,  quando estou com muita, muita mesmo, imensa,  vontade de ir ao banheiro, me lembro de que não é nem 0,1%, isso mesmo, um milésimo,  do que senti  nas últimas duas horas daquela tarde  e nos  infinitos metros que separavam a minha poltrona do ônibus ao banheiro do hotel.

Do Tipo Errado!

Sempre gostei de crônicas. Quando era criança, dava-me bem nas aulas de redação.  Lembro-me, inclusive,  de um episódio.  Roberto, que hoje é grande amigo, e eu  estávamos no Ginásio.  Precisávamos estudar matemática e ainda fazer uma redação.  Na matemática, a mornice de sempre.  Devo ter tirado um medíocre seis na prova.

Aí,  na hora da redação, fiz  a minha rapidinho e a dele não saía de forma alguma. O tema, vejam vocês, desde aquela época,  já era assunto polêmico: a emancipação feminina.

Na introdução da crônica que escrevi  para ele,  dizia que o tema era vasto e que me restringiria a dois tópicos: mulheres ao volante e no mercado de trabalho.   Discorri um pouco sobre os dois aspectos, certamente, usando o chavão que os homens dizem para mulher barbeira:

– Vai pilotar fogão, dona Maria.

E terminava mencionando mote de propaganda de TV na época, que a mulher lutou tanto, conquistando até o direito de tomar cafezinho no balcão.

Resultado, ninguém falou nem bem nem mal da minha redação, mas a do Roberto!  Que sucesso.  Eu, que sempre fui meio metido a engraçadinho,  achei o maior paradoxo   ter dado bem a mais divertida para ele.

E assim, quando me  sobrava tempo livre,  escrevia.  Aliás, escrevo; usei escrevia porque até entrar em prestigiado curso de Criação Literária,  achava que crônica era contar coisas leves, fluídas.  Agora, descobri que crônica tem que ter conflito.

E sobre  uma das últimas crônicas que fiz,  o professor disse que havia o conflito,  mas não era no ponto em que devia estar.

Aí lembrei-me de piada.

Mulher diz:

– Finalmente, tive um orgasmo, mas descobri que era do tipo errado.

Então, vou colocar um conflito aqui: minhas crônicas não agradam o Gilson (orientador do Curso), mas,   mês passado, crônica minha foi classificada em 2. Lugar em Concurso do qual participavam associados de diversos clubes do Estado de São Paulo.

Usando a mesóclise do nosso tão desprestigiado presidente, poder-se-ia dizer:  não foi orgasmo, digo crônica,  do tipo certo, mas ganhou  Prêmio.

Crônica Minha em Segundo Lugar Na Mostra ACESC de Literatura

Última terça-feira, na sede da Fiesp, na Av. Paulista, em S. Paulo,  minha crônica Inesquecíveis e Desprezados recebeu o Prêmio  de Segundo Lugar na Mostra ACESC de Literatura.  ACESC é a sigla de  Associação de Clubes Esportivos e Sócio-Culturais de São Paulo.

Se quiser ler, lá vai.

 Inesquecíveis e Desprezados

Há cerca de um mês, aconteceu fato quase inédito na minha vida.

Fim de tarde, como sempre, eu a pé pelo bairro;  aliás, meu carro mais parece fazer parte da estrutura da garagem do  prédio do que meio de transporte.    Moro perto da Estação Marechal Deodoro.  Se tem metrô próximo ao local aonde  vou, você pode me oferecer  um Jaguar com motorista, que eu dispenso.   E ando léguas diariamente.  Ao invés de fazer baldeação na Sé, quando uso a linha azul, desço ali e  vou caminhando para casa.  Essa é apenas uma das tiradas que faço quase todos os dias.

Um mês  atrás, na Cardoso de Almeida, esquina com a Cândido Espinheira,  uma Loja de Sapatos.  Parece que um anjo falou para eu entrar.  Explico: meu pé é muito alto e curto.  A ponta de  um sapato, em que meu pé entre,  vai chegar sempre meia hora  antes de mim.  Falei sobre isso com a gerente da loja e que sempre,  exceto duas vezes na vida,  tive que comprar sapatos sob medida.  Ela disse que esse problema é comum e que eles produzem sapatos  com quase o dobro  de tamanho na altura.  Pedi um 38. E não é que ficou perfeito no meu pé.  Foi confortador saber que não era um “desprivilégio” exclusivo  ter pés assim.  Confortador, não por inveja dos pés da imensa maioria, mas por encontrar  uma loja para mim e meus pezinhos.

As duas únicas vezes em que havia conseguido comprar sapatos prontos foram na Calle Lavalle, em frente ao hotel em que me hospedei  em Janeiro de 72, em Buenos Aires.  Ficaram ótimos, confortáveis como só vendo, ou só andando para sentir.

Coincidentemente,  voltei para a Argentina seis meses depois.  Fui à loja, o vendedor era o mesmo, disse-lhe  que os sapatos que comprara em janeiro  eram confortabilíssimos e perguntei se ele  lembrava-se de mim.

– Lógico que me lembro.  Quem se esqueceria de pés como os seus?

Toda essa dificuldade  para encontrar sapatos sempre fizeram que eu os usasse até seus últimos suspiros.  Havia um, em particular,  que era eu calçar e, em uníssono,  meus amigos e família:

– Paulo, joga fora esse sapato, que absurdo!

E eu firme com ele.  Como  digo, errar é humano, persistir no erro é personalidade.

Eu no colégio.   Um pedinte na porta da minha casa.  Minha mãe não teve dúvidas: despachou meu sapato.

No domingo, na praça em frente de casa,  amigos, amigas e eu  conversávamos próximos  à gangorra, o escorregador e o trepa-trepa.

Um dos meus amigos aponta:

– Paulo, olha, os seus sapatos estão aqui embaixo da gangorra.

E lá estavam eles,  desprezados  também por um pedinte!