TONHÃO

Eu, eu sempre fui um cara disciplinado e pontual; já meu amigo Antônio, sempre atrasado. Às vezes, na época do colegial, dormi em sua casa. A coisa era muito simples para ele. A aula começava às 7,30 da manhã. 7,30 era o horário que colocava para o despertador tocar.
Nessa sexta-feira mesmo, convidei para ir ver a estreia da peça em que trabalhei no fim de semana. Lógico, ele apareceu. Pontualmente, assim que terminou o espetáculo.

Quem seria o responsável pela única vez em que cheguei atrasado à Rodoviária? O Antônio, naturalmente.

-Tonhão, o ônibus para Santo Antônio da Platina sai às 20 horas. Meu irmão já deixou tudo organizado lá na Fazenda para um super churrasco no sábado. Não vai atrasar, hein!

-Pode deixar, Mayr, às 19,00, tô chegando de Uber ao seu Apartamento.

-Cê ficou louco? Sexta-feira, trânsito infernal e você acha que em menos de uma hora a gente anda de Higienópolis até a Rodoviária.

-Lógico que não fiquei louco. Não quero é estresse.

-Ah bom, então você virá de helicóptero me buscar para irmos à Rodoviária, é isso?

-Não faça ironia barata. Frasista, microcontista, como você não tem direito a fazer ironias baratas, deixa isso para os engenheiros como eu.

-Mas você, com essa sua obsessão pelo atraso, subverte as coisas. Eu faço ironias baratas e você, engenheiro, erra em cálculos que um garoto recém-alfabetizado tira de letra.

-Mayr, o cara com cujo pessimismo eu convivo há cinquenta e dois anos.

-Tonhão, não precisa ser Amyr Klink para saber ser impossível na hora do Rush das sextas-feiras, em uma hora, chegar a qualquer lugar que seja em São Paulo.

-Tá bom, eu chego às seis e meia.

-Tonhão, seis horas cê passa em casa e não se fala mais nisso.

-Seis e quinze.

-Seis horas, Tonhão!

-Seis e quinze.

-Seis Horas, Tonhão.

-Seis e quinze, Mayr.

-Tá bom, seis e quinze!

-Tonhão, sete e vinte e cinco, cê ficou louco!

-Mayr, o seu Jorge, aqui do Uber, disse que é mestre em pegar atalhos na hora do Rush

-Tonhão, além de mestre em Atalhos, o senhor Jorge precisa saber parar a passagem do tempo.

-Bota sua mala aí no banco de trás com você para a gente não perder tempo.

-Nem adianta a gente ir, é impossível.

-Chega de pessimismo.

-Seu Jorge, o senhor acha que dá?

-Seu Mayr, eu sou bom em atalho, mas não faço milagre.

-Chega de conversa mole, entra logo, Mayr.

-Tchau, seu Jorge.

-Por favor, o ônibus das oito para Santo Antônio da Platina.

-Agora são oito e quinze. O ônibus das oito saiu às oito.

-Meu irmão vai ficar muito magoado de a gente não ir ao churrasco que ele vem produzindo há três dias com tanto carinho.

-Mayr, amanhã você é meu convidado para um rodízio no Fogo de Chão!

-Tonhão..

-Fala, Mayr.

-Tonhão, vá à merda!

2 pensou em “TONHÃO

  1. Mayr além de pontual tem muita paciência. Já aconteceu comigo em combinar um horário para ir em algum lugar, sou prático se a pessoa atrasa eu vou e largo ela para trás. Existem muitos Tonhao por ai e são assim por serem criados assim, quando criança se eu me atrasei foi só uma vez pois meu pai já tomava providência.

    1. Pois é, caro Junior.

      Esse cara é exatamente assim, como escrevi. A história do teatro aconteceu, de fato, desse jeito, com essa pequena margem de atraso: a duração do espetáculo.
      Bom ter vc de volta aqui no Blog. Digo, vc sempre me prestigia, mas eu preciso escrever, né?

      Brigado pela força de sempre.

      Abraços

      Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *