Crônica – Todo Mundo Sempre Soube. Todo Mundo, não…

Considero minha inteligência média.

  • Se houver onze pessoas, eu vou ser mais inteligente do que cinco e cinco serão mais do que eu.
  • Ou se for estabelecida a média do QI dessas dez pessoas,  o meu vai estar bem próximo.

Entretanto, o que eu sou desligado e ingênuo é  coisa astronômica.

A família inteira, desde sempre,  desconfiou, aliás, tinha certeza, de que aquele nosso parente era gay.  Eu o considerava assexuado.  Minha impressão  era de que mulher não fazia a menor falta para ele; tampouco  homem.

Achava que  não se importava com sexo e ponto.

Quando ele  soube que eu ia passar  o Carnaval fora, pediu minha casa emprestada porque precisava pintar o seu quarto. Concordei, afinal, mais do que parente, parente,  é meu amigo:

– Luís, não vai  trazer a mulherada aqui pra casa, viu?

– Fica tranquilo, Paulo.

Falei só pra levantar a moral dele e ele pareceu gostar das minhas palavras.  Fiquei contente por, além de solucionar o problema de hospedagem,  demonstrar que apostava no seu poder de sedução.

Dentre as manias que eu tenho, não, não é só entrar no chuveiro cantando a mesma canção, tampouco  só pedir o cinzeiro depois de a cinza no chão, como personagem da música;  mesmo porque não canto ou fumo.

Minha mania é sempre, sempre,  voltar de viagem antes do prazo estipulado.

E não seria diferente daquela vez.  Corrigindo,  foi diferente daquela vez.  Quero dizer,  50% diferente.  Os cinquenta por cento semelhantes:  voltei mais cedo.

E os 50% inéditos.  Cheguei lá pelas  duas e meia da tarde em casa. Silêncio absoluto.  Assim, fui subindo para o meu quarto. Abro a porta devagar.

O Luís  e um sujeito dormindo nus.    N U S    E    DE         CON-CHI- NHA!

Fechei a porta do quarto, desci a escada sem fazer o mais ínfimo ruído,  peguei minha mala de volta,   e fui pro cinema.

Na volta pra casa, já tratei de ir buzinando e metendo a mão na campainha.

–  Paulo, cê chegou mais cedo.  Que ótimo!

– Cheguei.  Na verdade, cheguei   B E M     M A I S     C E D O!

E nunca, em tempo algum,  toquei no assunto, com ele,  e, menos ainda, com qualquer parente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *