Parada Gay – Historinha Engraçada

Há somente  dois textos  que repito todos os anos.

Esse a seguir, às vésperas da Parada Gay, e outro, próximo ao dia da Consciência Negra.

Deveria repetir mais alguns; ocorrem-me três: Sobre o Papel do Herói (próximo ao Sete de Setembro), uma coletânea de Epitáfios(absolutamente hilários),  Finados, e sobre Pindura – Prática dos Estudantes de Direito de  Jantarem em Restaurantes em Agosto e não Pagarem a Conta.   Ao final deixo os Links.  Por enquanto, Parada Gay:

Parada Gay, alguns  anos atrás. Desde a primeira, fui a algumas edições. Som legal, muita alegria e, além de tudo, não custa nada prestigiar. Lembro-me quando queriam bater o récorde mundial de público. Além do som, havia a meta a ser cumprida. Fui até mais para fazer número e ajudar no récorde, que acabou mesmo sendo batido.

Pois bem, em uma das vezes, de dentro do carro, perto da Rua Cubatão, onde, segundo meus cálculos, deveria estar a marcha naquele momento, pergunto para um grupo de gays que vinha caminhando se o pessoal ainda permanecia pelas redondezas. Eles me informam que a marcha já devia ter chegado ao ponto final, na República, onde seriam encerrados os festejos.

Pensando em voz alta, lastimo. Um deles consola:

– Não desiste, não. Corre lá, quem sabe cê ainda não arranja um namoradinho!!!

Divertindo-me muito, nos dias seguintes, contei para todo mundo o episódio.  Meu pai riu muito!

+++++++

Conforme o Prometido, link dos textos que deveria postar todos os anos.

Papel do Herói, clique aqui

Para se divertir,

Pindura, clique aqui

Epitáfios, clique aqui

+++++++++++++++

Tenho postado pouca coisa aqui  no Trombone, mas estou escrevendo muitos microcontos.  Preciso ir passando esses textos pra cá.  São legais.  Deixa eu pegar fôlego.

De qualquer forma,  estou contente de não ter mantido a tradição desse post nessa data aqui no Trombone.

Microconto – Dia das Mães – Espero Que o Seu Seja Igual ao da Mãe do Pelé

Um filho, uma filha.  O rapaz,  brilhante; a menina, um traste.

A respeito do filho, a mãe falou pro pai:

– E pensar que  você queria ir ao cinema naquela noite, hein!

Em relação à  filha, o pai disse:

– Puta-merda, por que a gente não foi ao cinema naquela noite?

++++++++++++++++++++++++                                                                                                                                * A partir de excelente piadinha, como, espero, tenha ficado excelente o microconto

 

 

Lu Archila – Ouça e se Encante

Não, de maneira alguma estou preguiçoso.

Ao contrário, tenho escrito muito, muito mesmo, mas postei  quase nada aqui.  Vou continuar esse processo de ir colocando no Trombone devagar o que estou escrevendo ultimamente.

Mas, peço mais um pouco mais de paciência, porque hoje tem música excelente  da Lu Archila, que eu conheço desde que ela era uma menininha, como também conheço os pais dela, Henrique e Mônica.

A música se chama Singular e, de fato, é bastante singular em seu ritmo contagiante.

Ouça e “disconcorde” se for capaz.

Microconto* – Córnea Roubada

Todos a postos para o roubo do cadáver, cuja córnea seria usada pelo Skatista acidentado. Exceto Medonho, irresponsável e reincidente nos atrasos, com suas desculpas esfarrapadas.

O plano não podia falhar.   Afinal, era o futuro de Felipe, sobrinho da Deusa Renata, em jogo. E, de fato, não falhou.

Hoje, o moleque enxerga como águia.

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

*408 dígitos, incluindo título

Microconto* – Sumiu!

Tempos de Ditadura Militar.                                                                                                                                  Morria de Amores por Luiza.                                                                                                                               Descobriu que o pai dela era da cúpula da Oban.**                                                                                     Como por encanto, no caso, desencanto, o amor sumiu, sem deixar digitais.                                Pensou:  Eu, hein!?

++++++++++++++++++++++

* 206 Dígitos, incluindo título.

**Oban – Operação Bandeirante.  Quiserem saber mais. Vejam abaixo

Sábado Resistente – 40 anos da criação da Operação Bandeirante – A …

www.memorialdaresistenciasp.org.br/memorial/default.aspx?mn=68&c=148&s

Um dos órgãos de repressão mais violentos na história da Ditadura Militar no Brasil foi a chamada Operação Bandeirante, criada pelo II Exercito em São Paulo, … e o Memorial da Resistência convidam para as palestras de três eminentes estudiosos do tema para debatermos sobre o legado da OBAN nos dias de hoje.