Antiamericanismo de Conveniência – Por JOSÉ GIORDANO

Leitor assíduo,  sempre comentando todos os textos aqui publicados,  Giordano mandou email com seu artigo  – publicado no último dia 20  no Jornal O VALE da Região do Vale do Paraíba 

 Não parei ainda para pensar a respeito de tudo o que ele escreve.  De qualquer modo, posto aqui sua opinião a seguir.

******************

Aconchegado na ignorância e embevecido pela irracionalidade, uma enorme parcela de governistas parece considerar natural que a ideologia demagógica ocupe o espaço que deveria corresponder à sensatez e aplaude qualquer medida contra os Estados Unidos.

Quase todas as opiniões emitidas pelos petistas a respeito dos norte-americanos envolvem, direta ou indiretamente, a psicopatologia do subdesenvolvimento romântico: nós somos os coitadinhos, os explorados, os dominados; somos os escravos e a potência do Norte representa o amo e senhor; somos oprimidos pelo capitalismo internacional que suga os nossos recursos naturais e destrói as nossas raízes culturais mais profundas, já que o único interesse dos desumanos vilões do capital é que sejamos reduzidos a uma massa de consumidores e que nos tornemos insensíveis à sublime dimensão espiritual do ser humano…

Com certeza o enunciado do parágrafo anterior não passa de uma postura que não resiste a uma crítica racional. A coerência lógica é intencionalmente ignorada pelos míopes governistas que tudo fazem para satisfazer o desejo mórbido que os petistas têm de representar o papel de vítima da opressão imperialista. Se o objetivo é formar uma multidão de idiotas, parabéns! Estão conseguindo ótimos resultados!

O que interessa é que qualquer medida ou opinião que contrarie os norte-americanos é vista como um exemplo de resistência heróica contra a dominação covarde imposta pelos cruentos ianques e seu expansionismo sanguinário. Esse ódio exacerbado tem um peso considerável na constituição do imaginário nacional, o que põe em evidência a pior faceta do nosso subdesenvolvimento que é a intelectual.

Parece que o cerne do problema, afinal de contas, não é a burrice: é o desejo que as pessoas têm de permanecerem burras e alienadas, aninhadas no conforto diabólico que a ignorância lhes proporciona.

Depois dos encontros do Lula na ilha-cárcere dos Castro, do respaldo trapaceiro ao regime de Chávez na Venezuela, da amizade pouco inocente com o Ahmadinejad, com direito a apoio descarado ao ditador assassino e da infeliz tomada de partido em Honduras, alguém ainda espera uma boa vontade dos americanos? Desde o início do seu governo, o Lula e seus asseclas tem se empenhado na formação de um bloco de miseráveis para opor-se abertamente aos interesses americanos. Os rumos que o Brasil tem tomado, especialmente na política externa, dificultam o estabelecimento de uma relação de confiança com os Estados Unidos, queiram ou não, nossos parceiros históricos e nos leva ao declínio no comércio entre os dois países. Não houve missões comerciais brasileiras nos EUA no governo Lula. Isso deixa claro que nossa política externa confunde ideologia e comércio. A diversificação do comércio internacional foi um acerto do governo, mesmo impelido por questões ideológicas, mas não deveria ser excludente. Galgar novos parceiros comerciais e novos mercados mas sem abrir mão de incrementar o comércio com a maior economia do mundo. Para exemplificar esse equívoco observemos o Chàvez, que apesar de seus enormes desencontros ideológicos com americanos, vende grande parte de sua produção de petróleo para os EUA.

Há pouco tempo fomos surpreendidos com esse acordo militar estapafúrdio e extemporâneo firmado com os EUA que permite a vinda de navios de guerra ao Brasil e prevê treinamento de militares brasileiros nos EUA (quem treina, adestra), aparentemente alavancado pela venda de cem aviões nossos aos americanos. Nossos aviões são ótimos e têm alta relação benefício/custo e, em função disso, eles devem comprá-los. Nunca para cedermos ou vender nem ao menos um só quinhão de nossa soberania.
Será que todo esse antiamericanismo do governo –  disseminado aos petistas e à sociedade – é só mais uma jogada de marketing?

4 pensou em “Antiamericanismo de Conveniência – Por JOSÉ GIORDANO

  1. O texto foi bem escrito, as escolhas lexicais demonstram prévio conhecimento do autor entre a relação Brasil e USA através dos tempos, as colocações são válidas e retratam a postura de muitos brasileiros que realmente se colocam na posição de inferiores e excluídos. No âmbito das relações internacionais, no primeiro momento, pode ser motivo de aplausos as barreiras que o governo impôs aos norte americanos, porém, na lista de itens que deverão ter aumento de alíquotas aparecem remédios e outros produtos que o Brasil não tem auto-suficiência e quem vai pagar essa conta no final são os brasileiros. Não há como discordar que nossa política externa confunde ideologia e comércio. Parabéns pela matéria!!!!!

  2. Paulo Mayr,
    Fico muito grato e orgulhoso de contribuir para o seu blog principalmente com um artigo de minha autoria. Sei que você talvez não comungue com as idéias que expus, entretando fez a divulgação e que agradeço sinceramente.
    Abraça-o
    Giordano
    ++++++++++++
    Caro Giordano:

    É isso aí. O Trombone é nosso. Use sempre que precisar.
    Abraços
    Paulo

  3. Concordo plenamente com o autor. Em vez de ficar peitando diretamente os EUA por pura ideologia, o governo brasileiro poderia muito bem tentar ampliar as relações comerciais com o país da América do Norte. Por aqui o antiamericanismo chega a ser uma controvérsia das mais doentias. Um monte de carcamanos fica falando mal do tal “império capitalista ianque”, mas adora beber Coca-Cola e faz fila pra comer no McDonalds.

    1. Vitor,
      Você tem razão e pegou o espírito do que eu tentei transmitir.
      A escolha de parceiros comerciais pelo governo Lula é pela ideologia e esta se resume em ser parceiro se contra os americanos e ser relegado a um segundo plano se alinhado com os EUA. Ainda bem que o lulismo tem data e hora para acabar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *