Barulho Não dá Sossego

Para coroar mais um ano de muito barulho, sim barulho de decibéis mesmo,  hoje,  último domingo,  britadeira trabalhava a todo ao lado de casa. Isso de manhã.  Agora, 21:30,  mais barulho, certamente para tapar os buracos.  Há mais de um ano, postei texto em que defendia que as ruas não deveriam ser asfaltadas e sim cobertas de cascalho.  São inúmeros cabos subterrâneos. Semana sim, outra também,  britadeiras  rasgam o asfalto.  E tomem barulho – bebês, crianças, jovens, adultos, velhos!!!

Amigo meu, diretor de empresa aposentado,  que gosta de polemizar, disse que eu estava louco.  Outro amigo, arquiteto,  disse que concordava 100% comigo.

Assim, agora, quase dez horas da noite do último domingo do ano,   eu e meus vizinhos somos brindados.  Brindados com barulho.

Quiser ler texto CHEGA DE BRITADEIRA,  em que sugiro cascalho ao invés de asfalto,  clique aqui

2 pensou em “Barulho Não dá Sossego

  1. Hoje, 31/12, tenho ponto facultativo depois das 14:00, mas resolvi ficar aqui de tarde só para aproveitar para trabalhar sossegada e adiantar algumas coisas, já que é a única chance no ano de trabalhar sem uma barulhada vindo do corredor.

    E o que aconteceu às 14:10?

    Claro! A “festa da virada” da cidade TINHA que ser próxima daqui e, mesmo ainda faltando 10 horas para a famigerada meia-noite, começaram os ENSAIOS DE SOM (sujeitinho falando “som, som” durante 2 horas, em intervalos de 10 segundos) e agora já começaram com batuque e outros instrumentos.

    As coisas parecem combinadas: acaba um barulho, vem outro… parece até que o barulho 2 fica esperando o barulho 1 acabar!

    É impossível ter um momentinho único de silêncio neste Brasil. Quando há um pouquinho que seja, é depois das 23:00, quando o trabalhador já não pode fazer mais nada mesmo a não ser dormir, e isso quando ele não tem que dormir escutando a porcaria de um “pagodão”, “funk” (entre aspas porque o verdadeiro é americano e não tem nada a ver com a deturpação brasileira) ou sertanojo do seu prédio ou do prédio vizinho… SEMPRE TEM UM DESGRAÇADO, e a coletividade sempre tolera!!!

    Mas vou te dizer uma coisa: isso não é do mundo, não. Já vivi em outros países e não foi assim. É coisa do BRASILEIRO, mesmo. Brasileiro TEM que conversar (gritando!) o dia inteiro, escutar música altíssima em casa e na rua (mesmo quando usa o headphone todo o vagão ouve), ficar gritando (de preferência bêbado) feito um animal nas ruas todas as vezes que está indo ou voltando da “night”, porque senão ele acha que NÃO ESTÁ APROVEITANDO A VIDA.

    Só que só brasileiro parece pensar assim. No Exterior, tive sempre muito silêncio.

    1. Valéria:

      Não há um vírgula em seu comentário da qual eu possa discordar. Aliás, você escreve muito bem mesmo

      Fiz algumas poucas descobertas ao longo da minha vida. Uma delas, – perdão se vc tiver lido nesse texto mesmo em que deixa seu comentário – aquilo que seus pais e os meus nos ensinaram está 180° subvertido. A saber. Nossos pais diziam que a liberdade da gente ia até onde começa o direito do próximo. Hoje, a liberdade desse tipo de gente a que você se refere é ilimitada e o cidadão vai sendo cada dia mais contido em seus direitos fundamentais – por exemplo, ter sossego. Aliás, esse tipo de gente, eu chamo de búfalos. Um amigo meu protestou. Dizendo que os búfalos são lindos animais e não merecem a comparação. Não dá para discordar dele.

      Escrevo muito sobre esse tipo de coisa aqui no meu blog. Acho que você vai gostar de ler. O link do blog é https://www.trombonedomayr.com.br// Vou jogar um pouco de confete em mim mesmo. Conforme você pode ver, meu blog foi eleito duas vezes o melhor blog de variedades do Brasil e duas vezes foi eleito o segundo melhor blog de variedades do Brasil. Deixo também o link https://www.trombonedomayr.com.br//2015/07/10/premios-do-blog-trombone-do-mayr/

      Aliás, você escreve de uma maneira muito parecida com a minha. Esse trecho parece que fui eu que escrevi, caso não tenha escrito algo muito semelhante. Lá vai o trecho ao qual me refiro: parece até que o barulho 2 fica esperando o barulho 1 acabar!

      Foi imenso prazer que as últimas linhas que escrevo esse ano tenham sido para você, mulher sensível, inteligente, educada e que sabe redigir. Antes, havia escrito esse texto que, infelizmente, mostra qual o padrão ético de alguns dentistas. https://www.trombonedomayr.com.br//2015/12/31/picaretas-com-e-sem-diploma-2-todo-dia-e-dia-de-golpe-infelizmente-poucos-quebram-a-cara/

      Ficaria muito honrado se pudesse contar sempre com seus ultra-pertinentes comentários.

      Aliás, mais um texto sobre barulho. Mandei carta para os últimos três prefeitos de S. Paulo em que sugeria medidas simples, mas que nos traria muito conforto. Fui solenemente ignorado por todos. Se quiser ler o texto, escrito em forma de carta. A redação é a mesma para os três. E como resposta, igualmente, tive a total indiferença dos três. https://www.trombonedomayr.com.br//?s=choque+dos+decib%C3%A9is

      Um 2016 mais sossegado para todos nós.

      Paulo Mayr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *