Tombos de Sóbrios e de Bêbados

Post muito particular esse, mas tem aspectos interessantes do meio pro fim e, para não perder o costume, piada  encerrando.  Não vale ir direto pra piada, viu???

Ontem ao entardecer, ofereci-me para levar, da casa onde estávamos até o carro da palestrante, uma caixa de livros..  Além da caixa,  carregava duas pastas, um caderno grande e mais um livro.  A caixa de livros ia até a altura do meu queixo, dificultando muito a visão.

A casa, na “ladeirenta” Rua Cardoso de Almeida, Perdizes, Zona Oeste de S. Paulo,  tinha uma grade sobre uma laje e um portão.  Antes de você “desembarcar” na calçada, havia um degrau.  A pilha de livros me impediu de ver o degrau; resultado, belo tombo, esparramando livros e meus cadernos para todos os lados.  Não me machuquei, tampouco rasguei a roupa.  E aí lembrei-me de  razoável contribuição minha para a psicanálise, modéstia à parte.

Meu psicanalista,  no final da década de 70, começo da década de 80, me explicava que há muito mal entendidos entre os homens porque a linguagem é coisa relativamente nova.  O homem caminha sobre duas pernas há milhares e milhares de  anos.  E fala há bem menos tempo.

O andar, dominamos perfeitamente, já o falar…

Agora, minha contribuição.

É frequente presenciarmos diversos tipos de mal entendidos, entre a família, com os amigos, vizinhos, entre diplomatas, presidentes;  enfim, por todos os lados.

Agora, a gente passa anos, décadas, cruza com milhões de pedestres pelas esburacadas calçadas  e não vê pessoa alguma  levar  tombo, mesmo assistindo a esportes na TV.  Corrigindo, quem estava no fim da Cardoso de Almeida, por volta das  17,30 de ontem  assistiu a um belo tombo.   De qualquer forma, certamente quem presenciou meu tombo espetacular não vai  ver ninguém mais cair por décadas e décadas, talvez nunca mais em toda sua vida.

Bem, a merecida piada.

Bêbado estava com a garrafa de pinga  no bolso e caiu.  Começou a escorrer líquido por sua perna.  Ele passa a mão e diz:

– Tomara que seja sangue!!!

2 pensou em “Tombos de Sóbrios e de Bêbados

    1. Caro Armando:

      É isso aí.
      Lembra-se que no início da música Calhambeque do Roberto Carlos ele dizia:
      – Essa é uma das mil histórias que aconteceram comigo. Primeiro foi o tapa que eu levei, depois … e agora essa.
      Pois bem, essa é uma das mil piadas que conheço. Sim, devo conhecer cerca de mil piadas.

      Valeu o comentário

      Abraços

      Paulo Mayr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *