Master Chef, Escolha Infeliz do Prato

A propósito do Master Chef de Hoje,  interessante a observação que a empregada do meu irmão fez.

Minha cunhada falou que faria um jantar e que o prato principal seria suflê.

A empregada foi taxativa:

– Dona Helena,  tenho o maior  prazer em fazer suflê, mas  as visitas é que têm que esperar o suflê e não o suflê esperar as visitas.

Bem, isso quer dizer que foi muito infeliz a escolha de suflê na prova eliminatória de hoje do Master Chef.

O suflê saiu do forno, tem que ser comido.  Caso contrário, em geral murcha, mas sempre dá errado se não for consumido nos minutos seguintes.

Apesar de a regra  ter determinado apenas um tempo máximo para o preparo e não o tempo mínimo.  Todos usaram o tempo máximo e  era lógico que os últimos suflês a serem avaliados seriam prejudicados.

Na verdade nem me lembro se o eliminado foi o último a ter o suflê testado.

O fato é que a escolha do prato foi infeliz; muito infeliz.

Peguei o programa pelo meio, pois, apesar de gostar de comida, prefiro o teleteatro da Globo; hoje era dia de Tapas e Beijos.

Repetindo, peguei o Master Chef  já começado; quando mudei de canal,  estava um chef  muito simpático; minha namorada  disse-me agora, por telefone,  que é o dono do Mocotó.  Aliás, já ouvi excelentes referências a ele.  Pois bem,   deveria ficar esse chef de jurado,  sujeito delicado, atencioso  e que sempre tinha palavra positiva para os participantes.  Os outros três deviam ser eliminados, para usar palavra dos reality shows*  da vida (*detesto terminhos em inglês, como os eventuais leitores do Trombone já sabem).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *