Aluno Rico Pode Tudo; Aluno Pobre é Debochado Pela Imprensa e na Internet

Amigo meu, cuja paixão maior é meter o pau no Brasil,  enviou  um dos seus inúmeros emails semanais com seu objetivo.  O de agora há pouco era  notícia dando conta do que escreveram  dois estudantes que participaram da última edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).  Na redação, cujo tema era a Imigração Italiana para o Brasil, um deles  colocou   receita de macarrão instantâneo e outro,  trecho do hino do Palmeiras.  O do macarrão teve 560 pontos em mil e o do Palmeiras, 500.

Mil anos atrás, ao filho de um parente, que hoje é advogado  de grande empresa,  formado pela São Francisco, no Jardim da Infância ou pré-primário de colégio da elite, foi pedido que falasse ou escrevesse uma frase com a palavra vela.

Ele não teve dúvida:

– Na minha praia tinha uma macumba.

Eu achei interessante, principalmente porque desde os dois anos de idade,   esse aspecto de consciência de classe dele (minha praia) sempre foi muito forte.  Bem, eu gostava do menino e era  suspeito, mas a professora deu nota máxima.

Pelo que se deduz, crianças da elite têm direito a total criatividade.  Já os carentes do Enem precisam seguir  estritamente o que lhes é pedido; caso contrário, são ironizados, quase hostilizados por todos, Jô Soares no meio.  Lembram-se   daquele quadrinho que há ou havia no programa do Jô para ridicularizar erros cometidos em redações???

Se quiser ler sobre Jô Soares, clique

2 pensou em “Aluno Rico Pode Tudo; Aluno Pobre é Debochado Pela Imprensa e na Internet

  1. Ilustre Escriba
    Vc, como grande patriota, não deveria ter amigo que mete o pau no Brasil! Eu não teria!
    Expor as fidalgas particularidades do altivo povo brasileiro é uma coisa, meter o pau gratuitamente é uma indignidade.
    Achei interessante sua consideração sobre a criatividade das crianças da elite pelo fato do filho do seu parente dizer “na minha praia …”. Tb a elitista torcida corintiana considera o Pacaembú território seu e espanca qualquer torcedor de outro time; e quando vão à Venezuela, confraternizam com o povo venezuelano, enviando-lhes sinalizadores de amizade eterna latino americana!
    Faça como eu, jamais admita que um amigo meta o pau gratuitamente neste chão abençoado, coração do mundo e pátria do Evangelho!
    Saudações verde, amarela, azul e branca!
    +++++

    Caro Flávio:

    Realmente admiro o Brasil. Mas gosto dos meus amigos, mesmo que eles se envergonhem do Brasil e sejam acometidos – minuto sim, outro também – pelo Complexo de Vira-Lata. Se quiser ler mais sobre complexo de vira-lata, clique

    Abraços

    Paulo Mayr

  2. Aprendi durante toda minha vida de estudante que nenhuma pergunta fica sem resposta.Nas provas em escolas por qual passei,quando não sabia as respostas,usava criatividade e escrevia qualquer coisa.Tinha que escrever algo inteligênte,para sensibilizar os mestres.Deixar a prova em branco…nunca.E não é que quando não sabia as respostas e escrevia qualquer coisa…a professora me dava boa nota.Fica aí essa dica aos alunos que teimam em deixar respostas em branco nas provas.
    +++++
    Caro Cícero:

    Interessante seu conselho, mas os pseudo gozadores vão se divertir às custas das respostas engraçadas. Falto do que fazer da parte deles.

    Abraços

    Paulo Mayr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *