São Silvestre – “Eu Venci o Queniano”

Fim dos anos 90, corri uma São Silvestre.

Reminiscências divertidas.

Talvez mais legal do que a corrida em si, foi  ter feito todo o percurso correndo, com o treinador seus auxiliares e os outros colegas de equipe, um ou dois domingos antes da prova, a partir das  seis horas da manhã.

Mal chegamos à Consolação e desabou temporal, mas temporal mesmo.  A parte baixa do trajeto foi feita com água pela canela.  Uma  epopéia. Concluído com êxito o percurso,  lá pelas 13 horas, estava almoçando em um sofisticado bufê, na companhia de um bom amigo e sua tia, um velha que confessava ter prazer em fazer fofoca.  Comi uma salada, e o primeiro prato.  Quando fui me servir do prato seguinte, a maldosa coroa disse que eu comia demais.  Meu amigo:

– Mas tia, ele acabou de correr 15 quilômetro, é natural que esteja com muita fome.

Terminado o percurso com sucesso, estava confiante para fazer a prova na tarde do dia 31.   Mas antes tive que ouvir gracinha do meu pai:

– Paulo.  Por que você não faz o seguinte?   Calcula mais ou menos até onde você consegue chegar e deixa o seu carro estacionado nas proximidades.  Aí você pára de correr, anda um pouco, pega o carro e volta para casa.

Engraçadinho ele!!!

Muito legal é a reação do público.   Não faltou em momento algum incentivo.  Mas  sempre tem um gozador.  Lembro-me bem que eu e meu “pelotão” não tínhamos concluído um terço da prova e um cara disse:

–  Os africanos já  estão  cruzando a faixa de chegada…

E era verdade.  O pelotão de elite, sem aspas, fez a prova em 45, 46  minutos. E nós ali ainda nos primeiros sete, oito  quilômetros.

O fato é que uma hora e trinta e oito minutos após   a largada, eu também estava chegando, exatamente no tempo em que meu treinador disse que eu  completaria a prova.  E além de tudo, estava me sentindo como se tivesse acabado de acordar.   Passei um reveillon perfeito, sem qualquer incômodo ou cansaço.

E quer saber???

Eu ganhei do queniano que julga ter vencido a prova.   O cara tem o dobro do meu tamanho, o triplo da minha perna, a metade  da minha idade e a metade do meu peso.  Corrigindo tudo isso, quem foi melhor o queniano ou eu???

É lógico que eu ganhei dele!!!

Brincadeira minha, uma coisa é o meu tempo e outra coisa é a batida do pessoal de elite.  São ordens de grandeza muiiiito diferentes.

Mas se pensar bem…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *