Não Há Temas Virgens; Tampouco Algo Sobre o Qual Seja Impossível Escrever

Mil anos atrás, ainda na Faculdade de Jornalismo na USP, duas colegas e eu fizemos super matéria,  incluindo  entrevista, inédita com Zé Bétio, que ganhou quatro páginas do Folhetim, suplemento dominical da Folha, o máximo em termos de reportagem na época.  Aí, eu e elas começamos a procurar temas virgens.  Embora todos dissessem que não havia tema algum sobre o qual nada tivesse sido feito,  ainda descolamos mais três, igualmente inéditos, também publicados na Folha.

Longa troca de emails essa semana com o assíduo leitor Pawlow,  titular de um blog, discutíamos sobre  temas importantes e não importantes para se escrever a respeito.  Ele dá imensa prioridade para temas de peso, que lhe permitem mostrar destreza.

Já eu, sou exatamente isso; isso ao contrário.  Pouco minutos  atrás acabei de publicar um texto sobre assunto bobinho ,  porém divertido; pelo menos divertido para se escrever,  a respeito de declarações polêmicas de Luana Piovani.

Acabei de publicar aqui no blog, lembrei-me das reportagens inéditas   no Folhetim e Folha, lembrei-me da saudável polêmica com o amigo Pawlow e cheguei à  agradabilíssima conclusão.  Lá vai.

Tanto quanto não existem assuntos virgens, também não há tema sobre o qual não se possa fazer um registro curioso, interessante; na pior das hipóteses, engraçadinho – assim mesmo no diminutivo.  Graças a Deus é isso  e eu aproveito o máximo dessa teoria (conclusão)  que acabei de inventar.  Ficaria contente de convencer o amigo Pawllow.

Leia meu texto bobinho sobre La Piovana – Clique Conheça o Blog do Pawlow, CADERNOS,  recheado de textos densos, porém bem mais esporádicos do que os meus.  Se não tiver tempo de folhear  muitas páginas dos Cadernos, leia ao menos essa sensível crônica/ensaio sobre Cemitério do Bonfim, em Belo Horizonte, já mencionado  muitas vezes no Boca, inclusive muito recentemente. Clique

1 pensou em “Não Há Temas Virgens; Tampouco Algo Sobre o Qual Seja Impossível Escrever

  1. Amigo Mayr, ha temas e tratamentos de temas.

    É possível redigir textos descartáveis sobre temas perenes e erguer textos imortais ,ainda que curtos ( curtos como hai kai) ,sobre um flagrante de dois meninos no Ibirapuera, a passeio, em dia de folga da rotina de pedintes,como o que voce postou hoje á tarde e que me emocionou.

    Mas sempre polemizaremos sobre tantas coisas que amigos e colaboradores sempre polemizam,enquanto tecem a amizade , colaboração da vida.

    Mais uma vez,obrigado pelo link generoso ao meu blog (esporádico é gentileza sua,virei um turista em meu blog, e não por falta de incentivos do amigo) e pela menção reiteradamente elogiosa ao meu texto sobre o Bonfim,meu filho favorito.
    Abraços do Pawlow
    ++++++

    Caro Fernando:

    Fico contente que vc tenha se emocionado com o texto dos meninos no Ibirapuera. Lembre-se de que todos esses textos só ganharam o destaque que merecem no meu blog por sugestão sua. Antes estavam todos tuchados em um único post. Foi excelente sua idéia e vc viu que fiz questão de fazer texto específico para abrir a nova fase da seção casos, aliás, seção de quem você tornou-se o padrinho. Refiro-me ao caso da Sílvia Poppovic. Não para vc, porque vc conhece, mas para os que vierem a ler essa resposta. Se eles quiserem, lá vai o link do caso da Sílvia.- clique

    Obrigado pela sugestão antiga e por esse comentário.

    Abraços

    Paulo Mayr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *