Quem o Ladrão Pensa Que Está Dentro de Um Carro com Insulfim??? Um Avestruz!!!

Minha ojeriza aos vidros nigérrimos dos carros é tão grande que me fez escrever ontem texto praticamente idêntico ao que havia escrito há exatos trinta dias.  E eu ainda não estou gagá!!! Aliás, no  próprio texto de ontem, há link para o anterior.

Uma pergunta, ou uma gracinha, que, igualmente, também já escrevi aqui:

O que os motoristas imaginam que os assaltantes pensam que está na direção de um carro – importado do ano ou Pois É da década de 70 com insulfilm – ??? Um avestruz???

Desde que tirei carteira de motorista aos 18 anos, sempre fui  camarada  no trânsito.  Bastava o motorista que queria entrar na minha fazer qualquer gesto ou mesmo olhar para mim que eu fazia sinal para ele passar.  Hoje se  um carro, com esses vidros pretos,  que está estacionado começando a se movimentar ou outro que quer mudar de fila na minha frente, eu nem me importo.  Eu não paro.  Não dou passagem mesmo!!!

Como posso saber (1) se ele está realmente querento entrar na minha frente?

Como posso saber (2) se ele está vendo que eu estou lhe  permitindo a passagem?

Como posso saber (3) até mesmo se existe um motorista dentro do carro, já que não tenho condições de ver coisa alguma?

Aliás, de certa forma, estou até contribuindo com o objetivo dele que é o de não ser visto.  Eu não só não o vejo, como o ignoro!!!

1 pensou em “Quem o Ladrão Pensa Que Está Dentro de Um Carro com Insulfim??? Um Avestruz!!!

  1. É isso mesmo,estimado colega Paulo Mayr. Como é que poderemos ser gentís com os motoristas, que pedem passagem,pedem ajuda,se não sabemos se dentro daquele carro,tem gente,animal ou um robô???Os carros com a pelicula de insulfilme se escondem e tornam-se incomunicáveis, a pessoa,ou ser estranho,que se encontre lá dentro.
    Agindo assim,com desprezo,ao que não vemos,estamos contribuindopara o bem comum, o bem da comunicação humana.
    +++++++++++++++++

    Caro Cícero:

    Não dá mesmo. Afinal, não sei se o cara está me vendo.
    Abraços
    Paulo Mayr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *