O Respeito do Empresário Americano pelo Consumidor e o Desrespeito do Brasileiro

Logo que o McDonald´s chegou ao Brasil, dei o dinheiro para pagar um pedido.  Ao comentar com o caixa que havia recebido R$ 0,75 a mais de troco, ele foi lacônico:

– Quando não temos o troco exato, damos a mais.  O freguês não pode nunca ter prejuízo por falha nossa.

Aliás, ao me entregar o troco,  ele sequer comentou que havia dado mais do que devia.

Legal, muito legal, ético e elegante.  É a visão americana dos deveres e direitos de cada um.

Acabei de comprar em um dos maiores supermercados apenas dois sucos de laranja.  Preço de cada um R$ 3,99 – lógico, com a gracinha dos 99 centavos.

– Dou R$ 8,00.

A moça do caixa, guarda o dinheiro, entrega uma notinha fiscal e dá o caso por encerrado, sem sequer comentar que ele não dispunha de troco.

Ao fazer uma compra grande, é natural que se deixe arredondar o troco, mesmo contra o freguês.  Não me importo absolutamente.

Agora, o marketing inventa a gracinha de todos os preços quebrados nos 0,99.  Pois bem, os mínimos trabalhos extras  que a equipe de treinamento de uma das maiores redes de supermercado  tinha por obrigação  fazer eram:  ensinar todos os caixas a pedir desculpas quando não tivessem  o troco, mas, sobretudo, cuidar para que não faltasse um único centavo no troco de cada consumidor.

Talvez seja esperar  demais que empresários e marketeiros tenham consideração por quem quer que seja!!!

Se para os americanos, o  freguês não pode em hipótese alguma  ter prejuízo por “falha” deles, para um dos maiores varejistas  do Brasil,  é o freguês que se dane,  que fique sem troco  exato  e, menos ainda, sem  direito a ouvir  qualquer pedido de desculpas.

Só para deixar claro:  os caixas fizeram um mutirão, acharam uma moeda de cinco centavos e me deram o troco.   Os caixas, eventualmente , alguns clientes talvez me considerem um miserável.  Não me importo.  E se todo mundo fizesse igual, acabariam a gracinha do preço quebradiiiiinho e a falta de consideraçãããoooo   e de respeiiiito!!!

2 pensou em “O Respeito do Empresário Americano pelo Consumidor e o Desrespeito do Brasileiro

  1. Olá Paulo,
    Me surpreendi agora lendo o seu texto sobre os trocos de R$ 0,01. Achei que só eu mesmo é que ligava para isso.
    Toda vez que vou ao supermercado, recebo o troco e faltam alguns centavos, surpreendo o caixa dizendo: ” O troco está errado.” Ai, quando estes me olham surpresos digo: “Falta meu um (ou dois, ou três) centavo.” Já recebi todo tipo de tratamento como resposta a minha solicitação, e já fiz inúmeras reclamações aos gerentes de plantão, recebendo sempre a resposta de que os caixas serão novamente orientados, e que na impossibilidade de troco deve sempre ser dado valor maior. Ou seja, o que o McDonald’s fez não é só reflexo da ética pressente naquele país, como também, o que está no Código de Defesa do Consumidor, entretanto, a maioria dos ‘pobres’ brasileiros se acha rico demais para exigir seu troco, fazer o que né?? Só resta a nós então, continuar pedindo o nosso troco, e esperar que um dia não sejamos a exceção, e sim a regra.
    +++++++

    Ana:

    Legal saber que não estou sozinho. Se mais gente fosse como nós, os empresários tomavam vergonha e colocavam preços redondos. Às vezes, ainda ouço comentário da Caixa que me dá 5 centavos para pagar o meu troco de 1 centavo: Se para você um centavo faz falta; para mim quatro “não faz”. (dá lição de moral, de economia, mas o português…) Agradeço e vou-me embora. E no dia seguinte, volto normalmente ao mesmo supermercado.
    É isso!!!
    Abraços
    Paulo Mayr

  2. ISSO É REGRA EM TODO COMÉRCIO DO BRASIL. DESDE GRANDE MERCADOS ATÉ MERCADOS DE BAIRRO. TODO MUNDO QUER ROUBAR.
    ++++++

    Prezada Júlia:

    Legal você concordar comigo. Fico muito contente mesmo.
    Sabe que esses dias andei pensando que deveria ser feita uma grande campanha na Internet para todos os consumidores exigirem sempre seus trocos até o último centavo. Aí acabaria com essa palhaçada do R$ 1,99/R$ 3,99 e etcs.
    Deixo piadinha para vc a respeito do que é o comerciante. A piada não é minha, é domínio público, lá vai (já coloquei aqui mais de uma vez – agora, escrevo para vc).

    A piadinha:

    O presidente da Associação Comercial encomendou para um escultor temperamental uma grande obra que representasse o comércio. O artista aceitou desde que ninguém visse o trabalho antes que estivesse concluído.

    No dia da inauguração, toda a cidade reunida, prefeito, governador, rádio, tvs… Quando se retira a imensa lona que cobria a escultura, espanto total.

    – Oh!!! – exclamou a platéia.

    A escultura era uma imensa fila de homens nus, um atrás do outro, o de trás se encaixando no da frente.

    O presidente da Associação Comercial foi tomar satisfação com o artista que explicou.

    – O senhor não queria um trabalho que retratasse o comércio??? O comércio é isso, um querendo estrepar o outro!!!

    O presidente indignado disse que aquilo era um absurdo e garantiu que ele mesmo era sujeito muito honesto.

    O artista explicou.

    -Exatamente, o senhor, o senhor é o primeiro da Fila.
    +++++++++++++++

    Cabe a nós tentar fazer mudar isso um pouco.

    Abraço
    Paulo Mayr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *