Manjericão Gigante

Lá vão:  Contra todo o tipo de Desperdício 1 e 2

Contra todo o tipo de desperdício 1, ensinei o poeta carioca Pedro Tostes  dar bom aproveitamento ao seu pé de manjericão que não para de transbordar do vaso.  Além de colocar bela foto, ele dizia não saber mais o que fazer.

Contra todo o tipo de desperdívio2  não estive no oriente, mas duvido que eles usem essa hortelã doce horrorosa que os restaurante árabes servem aqui no Brasil.  O certo seria usar hortelã pimenta.  Como é difícil de se encontrar a verdadeira hortelã pimenta, embora seja planta que se alastra como praga, dei a ele opções de usar o manjericão.  Lá vai o que eu escrevi.  Se você gosta de quibe mais próximo do verdadeiro ou tem o mesmo problema do poeta com o Manjericão que mais Parece o Pé de Feijão da Fábula que ia até o Céu, lá vai, exatamente como escrevi no Facebook dele:

Faça o que fizer, me chame!!! Brincadeira.

Ao fazer quibe (cru, frito ou assado) ao invés de usar hortelã, use o manjericão.

Na verdade, os árabes usam hortelã pimenta, que é, diametralmente, oposta à hortelã comum que se coloca no quibe aqui no Brasil. A hortelã pimenta é amarga. A hortelã daqui é doce, lembra drops, pastilha de garganta.

Não tendo hortelã pimenta para colocar no quibe, jamais use a hortelã comum, substitua por manjericão!!! Fica ótimo. Não precisa ser gourmet para ver que minha afirmação tem toda a lógica  gastronômica do Universo!!!  Lógico, tudo isso aprendi com meu guru filólogo/gastrônomo Antônio Houaiss.

manjericão
Delicioso em qualquer tipo de quibe e, óbvio, com macarrão e pizza.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *