Sapo de Fora não Chia

O brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, após 11 anos, foi fuzilado na Indonésia por tráfico de droga.  O homem era um traficante, sabia do risco que corria.  Não estou dizendo com isso que aprovo a pena de morte, muito pelo contrário.   Mas a situação me lembrou episódio meu, não me recordo  se nos Estados Unidos ou na Europa.

Nessas duas viagens, saí sozinho do Brasil para estudar um determinado tempo em escolas e depois viajar pela América do Norte e Europa.  Eu era três, quatro anos mais velho do que a garotada brasileira que estava por lá.  Todos os fins de semana, viajávamos para Londres, São Francisco ou alguma cidade vizinha.

Uma noite, ao sair do quarto para dar uma volta, um dos companheiros, pega um baseado e coloca no bolso.  Eu perguntei o que era aquilo.  Ele me disse que a lei local permitia.  Mesmo sem entender coisa alguma de legislação, e  muito jovem na época, fui taxativo:

– A lei permite para cidadãos daqui do país.   Larga esse baseado  escondido aí no seu quarto e vamos embora.

E ele não discutiu.

Eu tenho a seguinte política.  Se estiver fora do Brasil e alguém me convidar para participar da manifestação mais justa do mundo ou assinar contra o maior absurdo do mundo, não assino e não participo.

Óbvio que o mundo seria mais legal se não houvesse divisões rígidas de países, como sugeria John Lennon em Imagine, mas, infelizmente, não é assim.

Se não é assim, eu fico na minha quando estou nos países dos outros.

Lamento a Morte de Marco Archer e mando abraços para a Família.

Se quiser ouvir Imagine de John Lennon, clique

4 pensou em “Sapo de Fora não Chia

    1. Júnior:

      Sim, concordo plenamente com você.

      Talvez, inclusive, devesse ser deportado para o Brasil. Mas eu queria escrever o que eu escrevi para alertar os poucos que me lêem. Imagine se o menino que viajou comigo fosse apanhado com maconha no bolso e o policial não estivesse no melhor dos seus dias???

      Aliás, tenho outro episódio parecido sobre o qual também posso escrever.

      Grande abraço e obrigado pela força de sempre!!!

      Paulo Mayr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *