“Cercado de Estresse Por Todos os Lados”*

No meio da manhã, comentava com um amigo que não aguento mais, entre todos os estresses que me acometem, o estresse pelo excesso de tecnologia, senhas, cartões disso, cartões daquilo, entre outros infernos.

Irônico, meu amigo sugeriu-me algo como, não me recordo bem,  mudar-me para algum afluente da margem esquerda do Rio Amazonas (margem esquerda é mais longe de S. Paulo que margem direita), ou até mesmo mudar de Planeta.

Pois bem, recomendaram-me que assistisse uma palestra sobre Fundos de Investimentos em TV via Internet (é assim que se chama???).  Aplicado que sou,  dez minutos antes,  acionei a coisa.  No horário em que era para começar, não começava.  Quando começou,  o som fazia um eco do outro mundo.  Uma pena porque o que falavam os quatro palestrantes ( o eco os transformou em oito palestrantes) parecia muito bom.  Infelizmente, não dá para tampar o ouvido que ouve o eco e ficar escutando só com o ouvido que ouve a fala que causa o eco.

Desliguei e agora escrevo a respeito.

* Em tempo, cercado por todos os lados  é um pleonasmo.  Nesse exato momento,  uma sirene toca e não consigo continuar meu raciocínio.  Tinha algo interessante para contar sobre cercado por todos os lados.  Aliás,  meu almoço foi acompanhado por britadeira e marretas da vizinha de prédio que está trocando o piso da área de Serviço.  E a sirene continua e eu não consigo me lembrar do que queria dizer sobre cercado por todos os lados menos por um.

Sirene:  o que adianta o cara ligar a sirene e não desligar se ele está preso no trânsito???

Dá para parodiar a música:  Tristeza não tem fim/Felicidade, sim.

Ficaria assim:  Estresse não tem fim/ Sossego, sim!!!

É a barbárie!!!

Quiser ouvir a música e continuar a Paródia. Eu apenas “plagiei” o título.  Clique e ouça

1 pensou em ““Cercado de Estresse Por Todos os Lados”*

  1. Paulo uma dica, pratique yoga, taichi ou meditacao, sao otimos para controlar o estresse.
    +++++++++

    Caro Júnior:

    Obrigado. Já faço Meditação Transcendental desde 1975. O problema não é comigo; é a pressão externa.

    Abraços

    Paulo Mayr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *