Trajes e Ultrajes

Jovem senhora, parente, me convida para sua  festa de casamento ( o segundo), avisa que o traje é  terno escuro.

Já passei da idade de contestar, mas o momento que atravesso me permite negar ter  pescoço enforcado no jantar da sexta-feira (foi ontem).  Concedi bonito paletó, camisa sóbria e lembrei-me de dois episódios.

Escritor famoso do modernismo (estou entre dois, por isso não cito o nome) recebeu convite dizendo que Smoking era obrigatório.

Não teve dúvidas.  No dia da festa, mandou  mensageiro, que carregava o cabide com smoking e um bilhete em que explicava que se importante era  o traje, ali estava o traje.

+++++

Início da década de 70. Capitu (nome fictício), conhecido meu, que hoje ocupa cargo chefe entre os cartolas do Futebol Paulista, noite de sabadão, passa por um agito, pensou tratar-se de bela festa.  Foi para casa, barbeou-se pela segunda vez no dia, vestiu Terno, pegou seu Triumph  sem capota e lá se foi, de volta para o agito.

Estacionou.  Entrou.

Era um velório.

++++++

Leia mais sobre o Absurdo da Obrigação do Paleto e Gravata Clique Aqui

2 pensou em “Trajes e Ultrajes

  1. Hahahhahahaha… para os dois. O primeiro ao menos não foi otário, hahahah!!
    ++++

    Caro Vasqs:

    A saída da escritor foi ótima. Se quisesse fazer gracinha diria: a saída do escritor de fazer entrar o smoking no cabide foi ótima!!!, mas eu tô sério – hahahah!!!

    Abraços

    Paulo Mayr

  2. Seria o Tirone?
    +++++

    Caro Júnior:

    Perguntar na Lata assim em público não vale. Pergunta para mim através do meu email!!! Ou melhor, eu já vou mandar email para vc respondendo.

    Abraços

    Paulo Mayr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *