Motorista Paga R$ 45 Por um Papel Que Não Existe e Corre Risco de Multa e Apreensão!!!

Há  três anos, a serem comemorados depois de amanhã, escrevi aqui no Boca do Trombone, então recém-mudado para o Portal Ig, que o Detran cobrava R$ 45,00 por uma cópia emitida pelo órgão. Até aquela data, o valor de tal documento era  R$ 15,00.  As informações principais a esse respeito estão no  texto http://bocanotrombone.ig.com.br/2007/10/10/detran-cobra-r-45-por-um-simples-documento/

Mas a coisa piorou. 

Paguei os tais R$ 45,00 pelo documento.  O despachante me telefona hoje e informa que deu problema na máquina do Detran que emitia a tal cópia válida.  Minhas opções:  levar comigo  o original, o que facilita a vida do ladrão, em eventual caso de roubo/assalto;  ou andar com documento vencido,  que pode me custar R$ 300,00 de multa e apreensão do carro.

Eu nem tenho o que comentar.

Se quiser, meta a boca no trombone contra mais essa afronta ao cidadão contribuinte , que jamais  pára de contribuir, sem,  entretanto, se tornar “usufruinte” de coisa alguma.  É só incompetência, arbitrariedade e desrespeito!!!

Quanto a mim, vou rezar para não ser parado por Comandos da Madrugada…  Caso isso aconteça, explico:  Fui vítima da lei  Documento Seco!!!

5 pensou em “Motorista Paga R$ 45 Por um Papel Que Não Existe e Corre Risco de Multa e Apreensão!!!

  1. Paulo Mayr,
    O documento em duplicata autenticado pelo DETRAN me parece ser muito útil principalmente para ser portado quando duas pessoas dirigem o mesmo automóvel regularmente, permitindo que ambos tenham o documento válido do veículo.
    Assim, ao invés do documento permanecer no porta-luvas, o que não é recomendado, ou ficar trocando de mão, pode cada pessoa ter um documento para ser guardado em sua carteira ou bolsa juntamente com sua carteira de habilitação.
    Os automóveis que possuem seguro, quais são maioria hoje, não precisam do documento para fazer jus ao ressarcimento. Os que não tem seguro têm problemas para serem encontrados pela nossa pouco eficiente polícia e pela rápida ação das quadrilhas especializadas em desmanches e pelo caminho livre ao Paraguai e outros países limítrofes. Nesse casos o documento não tem serventia. Nem para os ladrões.
    Assim meu querido Paulo, pode portar junto com sua habilitação o documento original.
    Quanto à sua reclamação do DETRAN, você está coberto de razão. Paga-se muito para se ter um serviço de segunda classe, aliás como é prestado na grande maioria dos orgãos públicos. Isso só vai ser resolvido quando funcionário público tiver um plano de carreira decente, ser promovido só por mérito e focar o cidadão como um cliente.

  2. Se observarmos bem toda legislação brasileira, e ai incluímos a de Trânsito, é muito rigorosa. Rigorosa na teoria e frouxa na prática.
    Ai é que entram os facilitadores, despachantes e lobistas que são os atravessadores e arrecadadores que se permeiam nas diversas esferas do poder e alimentam os políticos direta ou indiretamente.
    E a cultura do “jeitinho” brasileiro entra em cena.

  3. Será que foi mesmo o DETRAN ou o seu despachante aproveitou as costas largas do usual mau serviço público e saiu pela tangente porque perdeu o prazo?
    abs

  4. Usualmente nesses serviços feitos por despachantes nunca temos os recibos autenticados para conferir os valores efetivamente pagos. Eles sempre dão um jeitinho de incluir honorários adicionais. Coisas de Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *