Flanelinhas Exercendo Atividade Útil

Há uma coisa em S. Paulo que todo motorista necessita – e nunca tem – e há uma instituição que todo motorista odeia. 

Motoristas precisam de Talão – ou folhas avulsas – de Zona Azul.  Todo mundo odeia o flanelinha do semáforo que, antes mesmo de o automóvel parar, principalmente os conduzidos por mulheres,  despeja sabão no pára-brisa  e começa a esfregar. 

E que tal se os  órgãos  públicos competentes arregaçassem as mangas e começassem a  transformar flanelinhas em vendedores de zona azul???  Eles poderiam vender folhas avulsas ou o talão, sempre pelo mesmo preço  que é vendido nos representantes oficiais.  Essa nova atividade deve render  mais do que se pode arrecadar com  “gorjetas”;  vantagem adicional  considerável,  o cidadão, principalmente mulher, estaria livre do estresse que se repete a cada semáforo vermelho.

Em uma etapa seguinte, talvez se pudesse  pensar em solução semelhante para os tomadores de conta de carro.

Certamente, essa(s) medida(s) seria(m) aprovada(s) por todos, até mesmo pelos flanelinhas que teriam a possibilidade de aumentar seus rendimentos desempenhando atividade útil para a sociedade.

Como já foi dito aqui no Boca no Trombone, bons administradores, sobretudo em momentos de crise (leia-se sempre/permanentemente), precisam  tomar medidas que demandem poucos gastos e que sejam simpáticas/úteis à população. 

Também é lógico que vai dar  trabalho para os órgãos públicos competentes.  Será necessário cadastrar todos esses novos vendedores,  coibir falsificações,  fornecer troco constantemente e tomar outras providências para que a coisa funcione e, principalmente, se mantenha.  Repetindo:  dá trabalho.  Mas compensa!!!

Encerrando com o bordão do Boca:  o Homem  chegou à Lua,  há quase quarenta anos.  Será que por aqui não se consegue resolver  coisa tão mais simples???

6 pensou em “Flanelinhas Exercendo Atividade Útil

  1. Gostei da dica.

    São as coisas pequenas / os detalhes, que garantem grandes projetos.

    Boa Tio Paulinho.

    Abs.
    Caro Felipe:

    Obrigado pelo seu comentário.

    Valeu

    Paulo

  2. Pois é este pa[is tem um problema de gestão e não de ideologias. Coisas simples como a sugerida é uma questáo de gestão. Será que ninguém escuta o trambone?
    Emerson

    Caro Émerson:

    Acho que é exatamente isso: problema de gestão. No popular, arregaçar as mangas e trabalhar. Coisa muito diferente de deixar o paletó na repartição e ficar flanando por aí.

    Depois dizem que sou irônico, quando argumento com a história de que o homem já chegou à Lua, etc, etc, … Mas dá para falar, ou até mesmo, pensar outra coisa???

    Grande abraço
    Paulo

  3. Ok talões de zona azul, mas tambem:
    Uma vassoura para cada flanelinha.
    Uma broxa e uma lata de cal.
    Aprendem uma profissão e melhoram a cidade.
    **************
    Caro Warner, novo e já assíduo leitor do Boca:

    Explorar honestamente o negócio de vender talão de zona Azul já se podeira considerar não um ofício, mas um bico. Seria um começo. É isso aí!!!
    Abraços
    Paulo

  4. hum… acho que o problema é mais embaixo, não há poder público que possa contra a população que quer a clandestinidade, onde funciona a lei do mínimo esforço associada a lei de levar vantagem em tudo, ou seja, pouco trabalho, nenhuma obrigação e um dinheirinho.
    *********
    Raul:
    De qualquer forma, o poder público podia fazer alguma coisa, já que também envolve a segurança da População. Flanelinhas com aqueles rodos enormes, quase uma arma, amedrontam os cidadão e, principalmente, as mulheres. É praticamente uma extorsão: o flanelão, armado de seu rodão, sem perguntar, joga água no vidro do carro da mulher, esfrega o sabão. E ai da mulher que se negar a dar umas moedinhas!!!

    Abraços

    Paulo

  5. Nem precisa ser mulher, sei disso porque vivo isso !

    Caros Raul e João:

    Na verdade, todos vivemos isso. No fundo, o que proponho seria legal para todo mundo.

    Abraços

    Paulo

  6. Boa noite Paulo,

    Infelizmente sua idéia de supostamente ¨legalizar¨ os flanelinhas não alcançaria resultado positivo nenhum..
    Essa classe foi criada pelo medo que todos nós, inclusive você, temos de se negar a pagar a quantia por eles imposta, já que diante de tal negativa, estaríamos sujeitos à retaliações por eles impostas, seja com danos materiais ao veículo, ou até mesmo por meio de agressões fisícas.
    Você já imaginou a hipótese de termos em nosso veículo um talão inteiro de zona azul, e simplesmente não precisarmos comprar um cartão deles???….imagine o que fariam com nosso veículo se ocupassemos um espaço que eles se julgam donos, e não oferecessemos nenhum lucro a eles, já que como disse, nós já tinhamos um talão inteiro de zona azul, cuja renda obtida pelo orgão competente, teoricamente, seria para o uso e manutenção dessas vagas….
    Outra questão….como ficaria o período noturno???…esse pessoal ficaria sem trabalho????….ou pior…teríamos que pagar zona azul até nas madrugadas,….sujeitos a comprar um único cartão por R$ 20,00…ou sabe lá quanto….

    Atenciosamente,

    *************

    Prezado Fernando:

    As tentativas por parte do poder público têm de ser feitas em benefício do cidadão. Essa minha sugestão, suponho, benificiaria até os flanelinhas, uma vez que teriam uma atividade legalizada. Alguma coisa tem que ser feita.

    Abraços
    Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *