Há Quinze Dias, Shoppings já Estão nos Impingindo o Natal. Comerciantes Fazem Por Merecer a Piada.

Enfeites de Natal desde meados de outubro já estão pelos Shoppings.  O formidável Marcelo Adnet, em seu programa na Globo, fez comentário jocoso a a respeito.  Há algum tempo já escrevi e escrevo sobre isso.

Eu tinha um parente um parente, ótima pessoa, talentosíssimo na sua área de atuação, porém de humor muito instável.  Eu gostava muito dele e ele de mim, suponho.  Frequentemente viajávamos juntos.  Renata era o nome da mulher dele.

Em uma dessas viagens, no jantar, a jarra de água, próxima à mulher.  Seco, ele diz:

–  Renata, água.

Eu:

– Mas João, quantas sílabas pronunciadas em excesso.   Da próxima vez, fala apenas: Re, á.  Ela que se vire para adivinhar que você quer a água.

A respeito da decoração de Natal nos  Shopping assim  antes do tempo , vale o mesmo raciocínio.  Se é para montar em meados de outubro, por que desmontar em janeiro?  Como no caso do meu parente, é esforço desnecessário.

Piada oportuna a respeito do comércio, comerciante,   montes de vezes já postada aqui.

O presidente da Associação Comercial encomendou para um escultor temperamental uma grande obra que representasse o comércio. O artista aceitou desde que ninguém visse o trabalho antes que estivesse concluído.

No dia da inauguração, toda a cidade reunida, prefeito, governador, rádio, tvs… Quando se retira a imensa lona que cobria a escultura, espanto total.

– Oh!!! – exclamou a plateia.

A escultura era uma imensa fila de homens nus, um atrás do outro, o de trás se encaixando no da frente.

O presidente da Associação Comercial foi tomar satisfação com o artista que explicou.

– O senhor não queria um trabalho que retratasse o comércio??? O comércio é isso, um querendo estrepar o outro!!!

O presidente indignado disse que aquilo era um absurdo e garantiu que ele mesmo era sujeito muito honesto.

O artista explicou.

– Exatamente, o senhor, o senhor é o primeiro da Fila.

++++++++++++++++++++++++

Pois é, não bastassem as maracutaias concretas,  esses elementos  do comércio ainda nos impõem mais um  estresse absurdo.  Viva o Escultor, que tão bem retratou (ou seria esculpiu?) a coisa!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *