Big Brother, Cervejas Skol, Skin, Brahma, Antártica…

Respondendo email do jornalista  amigo  Pawwlow,   redigi um período curioso, sem falsa modéstia, que eu poderia transformar em uma frase.

Lá vai.

“Quanto às cervejas de maneira geral, exceto a Heineken, viraram todas um nada.  Um nada ao quadrado seria assistir ao Big Brother bebendo Skol, Antártica, Brahma.”

A  assistir Big Brother, prefiro ficar em casa sem energia, no escuro.  A beber essas cervejas, prefiro tomar água.

Big Brother e/ou essas cervejas, como dizem os que se comunicam com cinqüenta vocábulos, NINGUÉM MERECE!!!

Usando bordão de Caco Antibes, formidável personagem vivido por Miguel Falabela na série da TV Globo, Sai de Baixo, eu diria: essas cervejas e o programa são a Visão do Inferno.

+++++++++++++++++++++++++++++++

Quiser conhecer o Blog Cadernos  do Pawwlow, clique –

Caso não tenha tempo para ver tudo, não deixe de ler  sensível e densa crônica  do Pawwlow sobre Finados nos Cemitério do Bonfim, em Belo Horizonte, terra dele.  Clique Garanto que você vai gostar!!!

4 pensou em “Big Brother, Cervejas Skol, Skin, Brahma, Antártica…

  1. Caro Mayr,assistir tal programa bebendo tais cervejas exibe,por parte de quem o faz, notável virtude: coerência.BBB e cerveja ruim:tudo a ver.
    Muito obrigado pelo carinho,pelo prestígio (prestígio que passa por cima de nossas divergências de opinião ) ao meu trabalho.

    Abraço do amigo Pawwlow

  2. Creio Mayr que você é bem mais moço do que eu, portanto, não deve se lembrar (ou lembrar-se – a escolha é do leitor). Mas sou do tempo em que na avenida são joão, paulista, barao itapetininga, etc, pela manhã o vasilhame de chopp era de madeira e colocado na calçada. O caminhão da Brahma ou Antarctica passava e substituia o vazio pelo cheio. Eu tomava meu chopp lá pelas onze horas, antes do almoço, creia: o sabor era fantástico – independente da marca. Na televisão (que começava a transmitir só depois do meio dia, não havia nada melhor do que há hoje; lixo, só lixo. Mas a gente via, porque não havia nada para ver. Hoje não há nenhuma marca brasileira de cerveja que preste. Uma tristeza. Abraço (PS: quando eu tinha dinheiro ia ao restaurante Guanabara; quando não, ia no virado paulista – ali no começo da são joão)

    1. Caro Clerson:

      É provável que tenhamos mais ou menos a mesma idade. Sim, lembro-me dos barris de chopp de madeira. Havia Chopps muito bons.
      Sim, o Guanabara era ótimo, o Ponto Chic, a Casa Califórnia. Hoje ainda existem, mas virou um nada, uma breguice.
      Sim, TV era só a partir da tarde, hoje é TV em todo canto a qualquer hora. Um inferno.
      Um absurdo as cervejas Brahma e Antártica terem se transformado nesse nada. Espero que a Heineken continue mantendo a qualidade. A tomar essas outras cervejas, sinceramente, prefiro beber água.
      Abraços

      Paulo Mayr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *