O Justo e o Errado na Cartilha do Dunga

Dunga instituiu algumas normas para os Jogadores da Seleção Brasileira de Futebol.  Concordo com algumas, acho que a maioria. Discordo de outras.

Concordo com:

  • “Proibir uso de bonés, brincos e outros acessórios.”
  • “Proibir uso de chinelos onde a seleção  estiver hospedada (certamente na piscina e nos quartos são permitidos). “Manda” usar tênis e meia.”
  • “Jogadores não podem usar celular, Ipad, laptops e outros objetos eletrônicos em preleções, refeições e vestiários.” Era o que faltava ficar tagarelando com fantasma (é mais ou menos o que acontece quando se usa celular), enquanto outros falam, almoçam ou jantam.
  • “Jogador deve pagar excesso de bagagem.”  Ora, se os outros mortais pagam, por que eles que ganham salários estratosféricos teriam direito a essa isenção???
  • “Ligações telefônicas pagas pelos próprios atletas.”  Mais uma vez, se os outros mortais pagam,  por que eles não deveriam pagar???
  • “Proibido passar qualquer informação para sites, blogs e assessores de imprensa particulares.”  Está certo, suponho que no mundo corporativo funcionários não ficam espalhando questões da empresa para fora da empresa.
  • “Ser pontual à programação realizada pela CBF”.

Discordo de:

  • “Vetar manifestações políticas e religiosa.”  Com que direito a CBF proíbe dois ou três jogadores de se reunirem no quarto de um deles para fazer orações ou promover ato religioso? Por que o jogador não pode manifestar em quem vai votar em qualquer eleição que seja???
  • “Obrigar o Atleta a Cantar o Hino Nacional.”  Ninguém é obrigado a decorar aquela letra completamente extemporânea.  Aliás, um dos significados de extemporâneo no meu Aurélio Eletrônico é inoportuno.

Será que todos os cartolas e o próprio Dunga (por quem não tenho qualquer antipatia) sabem dizer qual é o Sujeito do verso: “OUVIRAM DO IPIRANGA AS MARGENS PLÁCIDAS”.  Pois é, eu duvido que todos saibam.  Agora,  impingir aos jogadores  que repitam, tal qual papagaios, coisas/palavras/versos incompreendidos pela imensa maioria da população é total despropósito.  Particularmente,  jamais fiz o mais mínimo esforço para decorar uma estrofe sequer.  Em compensação, sei o sujeito do primeiro verso.  Sei não porque me contaram, mas por conhecer o idioma e ter feito as tarefas de gramática no primário e ginásio com empenho.

Se quiser ler e saber qual é o Sujeito do Hino,  clique aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *