Jogo de Cartas

Não sou, tampouco, estou moralista.  Trata-se de coincidência.

Post anterior, piadinha sobre bebida;  hoje,  frase a respeito de jogo de cartas.

Minha frase repete um pouco, de forma mais objetiva o que Ruy Barbosa teria dito.  Segundo a lenda, dizia o famoso brasileiro: no  no jogo o que menos se perde é o dinheiro; perde-se a honra, o tempo, a dignidade.  Essa eloquencia  toda  é lenda mesmo: acabei de ver no google que ele disse apenas:  “No jogo, o que menos se perde é o dinheiro.”

Vejo cerca de cem pessoas, sempre as mesmas,  jogando baralho.  Não consigo entender.  Tanto livro bom, tanto cinema, tanta possibilidade de conversar, tanto  filho,  sobrinho, neto, amigos para visitar, tanto namoro a namorar, tanto passeio a pé a percorrer…

Bem, lá vai:

No jogo de cartas, o que mais se joga é tempo fora.

4 pensou em “Jogo de Cartas

  1. Boa essa frase, mas Paulo as pessoas são como são, ou seja elas procuram o que realmente elas são.
    ++++++++++++++++++++

    Caro Júnior:

    Legal vc ter gostado. Nessa frase, eu nem me refiro a pessoas viciadas. Conheci gente que perdeu fortunas no jogo.

    Abraços

    Paulo Mayr

  2. Frase perfeita! E o tempo é nosso bem mais precioso. Tudo pode ser recuperado, menos o tempo.
    ++++++
    Maria Inês:

    Fico contente que vc tenha gostado.
    Judiação jogar tempo fora dessa maneira.
    Beijo
    Paulo

  3. Temos certeza que: o jogar cartas não é cultura.Se fosse cultura,não seria jogado fora o tempo…como diz a sua correta frase.
    +++++++++

    Cícero:

    Jogar cartas não é cultura de maneira alguma. Há quem adore…
    Abraços
    Paulo Mayr

  4. ‘Tanto namoro a namorar’. Paulo, você é um poeta e não falava nada? Gostei. abraço, Plínio.
    +++++++

    Caro Plínio:

    Quem sou eu??? Embora tenha tentado fazer uns pseudo Hai kais. Há alguns nesse capítulo do Blog. Se quiser ler, clique

    Abraços

    Paulo Mayr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *