Salve o Virado à Paulista, em Vias de se Tornar Patrimônio da Cidade

O Virado à Paulista, prato do das segundas-feiras  nos restaurantes durante o almoço,  pode se tornar Patrimônio Imaterial da Cidade de São Paulo. No último dia 19, “o Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp) recebeu requerimento pedindo o rigistro do prato, o preferido dos Bandeirantes.”

Já que é freqüente pratos sofrerem modificações o que, graças a Deus, ainda não aconteceu com o Virado,  vale a pena  registrar aqui  a composição do Clássico Virado e fiscalizar para evitar que sofra violências, literalmente violências.:  Tutu de Feijão, arroz, couve, banana à milanesa, bisteca, linguiça, torresmo e ovo frito.  Talvez, além da Couve, uma saladinha (com um tempero singelo e gostoso)  de alface, rodelas de tomate e cebolas bem finas,  acompanhe bem.  Pão francês cortado em rodelas para quem gosta pode participar também.  Para concluir o tópico acompanhamentos: caipirinha de limão de pinga, abrindo os trabalhos e,  dando um toque tropicalista (justaposição do que há de brasileiro com o estrangeiro, estrangeirismo),  Coca-Cola gelada com gelo e rodelas de limão no Copo

Partindo do pressuposto que, excetuando-se o tutu de feijão, todo o resto não tem muito mistério para ser feito, vou me limitar aqui a fornecer as receitas do Tutu, propriamente dito e da couve. Também da caipirinha, para evitar desastres/heresias

+++++++++

Tutu de Feijão

Ingredientes (sem quaisquer  medidas precisas):

-Feijão – comum ou preto –  pronto com grãos duros e caldo abundante.

– Cebola bem picadinha refogada na gordura do toucino derretida

– Farinha de mandioca crua o quanto baste.

– Sal e pimenta malagueta picada com um pouco de caldo.

+++++++

Modo de preparar

Esquentar bem o feijão.

Esquentar a banha de porco com a cebola refogada.

Despejar a banha e a cebola no feijão, misturar com colher de pau.  Por Sal e a Pimenta com caldo.  Aos poucos, com a mão mesmo, vai colocando a farinha e mexendo. Não por muita farinha.  A quantidade  certa de farinha é quando, após colocar um ou mais punhado, mexer e começar a aparecer o fundo da panela.  Não colocar farinha demais é detalhe importantíssimo para não comprometer a consistência do bom tutu.

Couve para acompanhar

Ingredientes:

– Couve cortada bem fininha comprada pronta e higienizada.

– Manteiga sem sal

– Pouco de sal

+++++++++++

Modo de Preparar

Derreter a manteiga sem deixar queimar.  Rapidamente colocar a couve e pressionar com a colher de pau até ela se mostrar umidecida e brilhante. Desligar o fogo.  Salpicar o sal e tá pronto.

Caipririnha e Saborosas Palavras do saudoso ministro gastrônomo filólogo Antônio Houais

Caipirinha

Ingredientes:

-Pinga de ótima qualidade.

– Fatias de limão cortadas o mais fino que conseguir, depois de se ter extraído a parte branca central

-Açúcar

– Gelo

Preparo

Colocar algumas  rodelas finíssimas de limão no copo.  Por uma parte do açúcar.  Com a mão de pilão (pilão que tenha sido usado só para coisas doces), ir amassando o limão e colocando mais limão e pouco de açúcar.  Colocar três ou quatro pedras de gelo.  Despejar pinga sobre as pedras de gelo até encher o copo.  Mexer com colherinha.  Aguardar  o gelo derreter um pouquinho para suavizar e desfrutar muito.

++++++

Lá vão as Palavras do Ministro Gastrônomo Antônio Houaiss sobre como montar a travessa para levar à mesa:

“Servir bem quente, numa terrina, se só com os torresmos, com arroz solto e molho de pimenta-malagueta.  A caráter, deve ser numa travessa em que compareçam, de um lado, o tutu, de outro, a couve em redor rodelas de lombo à mineira e os torresmos.  Sobre o tutu, há os que ponham ovos fritos, com gema meio  crua, uma para cada comensal”.

Faltou substituir o lombo pela costeleta e encaixar aí a  banana à milanesa e a  linguiça.

O ministro tinha pavor aos exageros, excessos  e redundâncias.

E finalmente, o toque tropicalista, Coca-Cola gelada com bastante gelo e redelas de limão para acompanhar,  diria até, harmonizar!!!

+++++++++++++++++++

Saudações para  o Ingresso Formal do Virado à Paulista na Nossa Cultura Paulista/Paulistana!!!

3 pensou em “Salve o Virado à Paulista, em Vias de se Tornar Patrimônio da Cidade

  1. Comi muito virado a paulista no “Um, Dois, Feijão com Arroz” da Avenida Ipiranga, com couve picada e torresmo… bom demais. No “Virado Paulista”, da Avenida São João, também era bom… os dois restaurantes já fecharam; uma pena. Um abraço.
    ++++++
    Sidney:

    Se você seguir essa receita, provavelmente vai ficar melhor do que qualquer restaurante. Não se esqueça da caipirinha e do detalhe tropicalista: coca-cola bem gelada com gelo e rodelas de limão. Sobremesa, um abacaxi para contrastar

    Vou mandar um email para você.

    Grande Abraço

    Paulo Mayr

  2. Que saudades do delicioso Virado a Paulista, ás segundas-feiras, no centro de São Paulo. Que esse prato tão delicioso,regado a gostosa caipirinha, vire Patrimônio da cidade.
    +++++++++
    Cícero, meu caro.

    O Virado dos botequins é bom. Mas dá para fazer em casa e ficar fabuloso.
    Abraços
    Paulo Mayr

  3. Bom prato um pouco pesadose não for muito bem feito e em porções sem exageros. Realmente a banana á milanesa crocante talvez até uma bistequinha bem tenra,a couve cortada á mineira, gema do ovo mole, bem fininha é de dar agua na boca mas cuidado com o colesterol!
    +++++

    Caro Kim:

    Não é para todos os dias, nem mesmo para todas as segundas-feiras. Só para ocasiões especiais.
    A caipirinha antes equilibra tudo isso e a Coca-cola dá conta de ajudar na digestão.

    Abraços

    Paulo Mayr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *