Carta para Mino Carta e sua Olivetti

São Paulo, 1ª Semana de Janeiro de 2008.

Prezado Mino:

Chego de curta viagem e sou informado na página do Último Segundo do Ig que você deu merecidas férias para a máquina de escrever, privando todos nós de seus sempre perspicazes e oportunos comentários.

Sem querer ensinar o Padre Nosso ao vigário, afinal sou apenas ousado, jamais atrevido, faço-lhe oportuna sugestão. Que tal transformar as férias de sua Olivetti em aposentadoria definitiva??? Logicamente com todos os direitos que a lei lhe garante – como, por exemplo, levá-la periodicamente ao técnico que cuidará de sua boa saúde e funcionamento perfeito para que sempre possa dar conta do recado nos momentos de nostalgia que talvez venham a acometer o seu dono.

A Olivetti ficaria apenas para as horas de lazer, textos rapidíssimos, trabalho leve, em síntese. É lógico que você guarda ótimas recordações de tudo que já escreveu com ela. Minha Remington, que meu pai comprou para ele quando eu tinha uns três anos de idade, da qual me apossei ainda na Faculdade e que também me rendeu bons textos por cerca de doze anos, até aproximadamente meados da década de 80, já goza de aposentadoria há um bom tempo. Jamais vou abandoná-la.

Mas, voltando a sua insubstituível Olivetti, que tal escalar para essa posição um computador Pentium 4 com o Programa de Texto Word For Windows???

Todo esse nomão arrogante Pentiun – que as pessoas pronunciam de forma errada com T – (gente, a palavra é Latin, Pentiun deu origem a pensar. Esse t, é lido com som de s!!!) na verdade esconde uma doce e amiga ferramenta da qual ninguém mais pode prescindir.

Garanto que em menos de cinco dias você estará dominando com razoável destreza o computador. Reviverá a sensação que teve ao passar a utilizar a máquina ao invés da caneta. Ou seja, você será simplesmente incapaz de voltar a escrever longos textos com a máquina.

Tenho certeza quase absoluta de que Machado de Assis, ou qualquer outro grande escritor da era pré-computador, teria escrito muito mais e com mais qualidade ainda (como se isso fosse possível, no caso do Machado de Assis) se usasse essa maravilha, acessível a praticamente todas as pessoas do século 21.

Querendo, conte comigo para algumas poucas e definitivas horas de bate-papo e instruções diante do meu computador. Por favor, diga para sua Olivetti que a minha Remington poderá fazer-lhe companhia sempre que ela for tomada pelo mais tênue complexo de rejeição que seja.

Grande abraço em Você e sua histórica Olivetti.

Paulo Mayr

4 comentários sobre “Carta para Mino Carta e sua Olivetti

  1. Muito bom. Você é nota dez . Nota vinte para o seguinte: ” Por favor, diga para sua Olivetti que a minha Remington poderá fazer-lhe companhia sempre que ela for tomada pelo mais tênue complexo de rejeição que seja”.
    Elizabeth.

  2. Paulo:
    Estou querendo, passar algumas poucas e definitivas horas de bate-papo e instruções diante do meu computador. Posso contar com você?
    Aurélia.

  3. Paulo, cadê a resposta do Mino para você? Essa eu perdi. Bjs.
    ++++++

    Beth:

    Talvez, tenha me expressado mal. Avisei para o Mino Carta por email que havia publicado o texto. Aí, por email, simpático e generosíssimo, ele disse que gostou de eu ter escrito aquilo no meu blog. E, agora me lembro, ele escreveu sobre o meu texto no blog dele – que na Ocasião tb estava no Ig e repbulicou o texto no site da Carta Capital. Lógico, que eu também publique aqui o que ele respondeu. A resposta dele recebeu 33 comentários.

    Lá vai o link para a carinhosa resposta do Mino. Clique aqui

    Tenho a impressão de que vc leu tudo isso na ocasião.

    Beijo
    Paulo Mayr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *