Arquivo da tag: Piada

Dia da Consciência Negra – Frase e Piada

Existem aqui no Trombone alguns textos dos quais gosto muito e que postaria todos os anos, na época oportuna, mas não faço.

Não sei  porque  apenas abro exceção  para dois.  Um, às vésperas da Parada Gay e outro contendo frase a respeito do Dia Da Consciência Negra.

Acho legal a ideia de se ter um dia em homenagem aos negros. Sou a favor da emancipação das minorias e talvez o começo seja esse mesmo – um simples dia no calendário dedicado a esses grupos oprimidos. Mas a frase é bem legal, quem me passou foi o Saudoso Zé Rodrix.  Ele disse que a frase foi feita por um grupo de amigos, entre os quais um negro.  Lá vai:

“Inventaram UM dia da Consciência Negra só para deixar a negrada inconsciente o resto do ano”

Ocorreu-me também piada de domínio público a respeito do assunto.  Aliás, piada que brinca com a falta de consciência negra do mais importante ídolo do esporte. Lá vai.

Um negro  consegue driblar toda a burocracia; finalmente, é recebido por Pelé.   Com paciência e generosidade, Pelé escuta todos os preconceitos e discriminações de que o outro estava sendo vítima. Paternalmente,  Pelé tenta confortá-lo:

– Eu entendo bem o seu problema, meu filho.  Eu também já fui preto.

Sem querer lavar as mãos,  tanto a piada  quanto à frase não são minhas. Gostando ou não da frase, da piada,  do meu post, enfim,  mais uma vez,  este Trombone abre  canal para quem quiser se manifestar sobre o tema.

De qualquer forma, Feliz Dia da Consciência Negra para todos, sejam sua consciência e sua pele da cor que forem!

Estupro do Português

Ontem no ônibus, subindo a Av. Brigadeiro Luis Antônio, centro de São Paulo,  motorista, cobrador e  passageiro comentavam notícias  de abusos sexuais  cometidos na véspera.  Não vou entrar nos detalhes deselegantes da situação, já bem noticiados nos telejornais de hoje.   Para se referirem  a estupro,  praticamente todas as combinações de letras foram feitas: estrupo, estupo,  até  istrupo,  exceto a correta.

Resumindo, o idioma foi   E S T U P R A D O!

Dá até para se lembrar de piada.

Sujeito diz que está com um poblema.

O outro fala:

-Meu amigo, você está com DOIS problemas.

Hillary, Parabéns, Mas Abra esses Olhos Azuis…

Hillary Clinton é oficializada candidata à Casa Branca pelo  Partido Democrata.

Bom momento para se relembrar antiga piada.

Lá vai:

77% das americanas ao serem indagadas se fariam sexo com Bill, isso na época de Mônica Chuppinsky – digo – Lewinsky, foram taxativas:

– Outra vez, não!!!

Vai que o homem,  agora com mais tempo livre,  decida correr atrás da aprovação unânime da mulherada e parta para um repeteco!!!

 

Chá Prejudicial!!! Velório

Ontem,  longa permanência em sala  espera – aprendi mais uma boa piada e acho que criei uma charada.

A piada é melhor,  fica para o fim.   Lá vai a minha charada:

– Qual é o único chá que faz mal para a bunda???

Resposta:

– É o Chá de Cadeira.

Não sei 1 –  avaliar charadas, tampouco se isso é charada.

Não sei 2 – Será que jamais alguém fez essa gracinha???

Lá vai a piada.

No velório, sujeito com o celular na mão pergunta qual era a senha do Wi-Fi do Velório.  O outro:

– Pô, respeita o morto!!!

O que perguntou:

– É tudo Junto???

++++++++++++++++

Mais velório???

Três frases boas a propósito do tema.  Dos três autores, só o Mário ainda não teve o seu.

“O velório é a única solenidade em que o homenageado permanece ausente.” (Mário Michel Cury)

“O velório é a única solenidade em que o homenageado permanece ausente. Embora de corpo presente. “ (Mário Michel Cury e Samir Meserani).

“O velório é a única solenidade em que o homenageado está impedido de se manifestar.” (Hiram Mayr Cerqueira a partir das duas anteriores.)

Piabas e Ordinárias

Adoro piadas – bem contadas -,  gosto de gente do bem – a imensíssima maioria-.

Assim, vou roubar  quase tudo do verso do amigo Nando Távora,  sambista do Caiubi.

Lá vai o verso:

Piaba* na ponta da linha é uma alegria só

Piada mal contada é coisa de dar dó

*peixe que luta muito quando é fisgado

Lá vai o meu plágio.

Gente do/(de) bem é felicidade só

Gente ordinária devia tá tudo no xilindró

Como disse, a imensíssima maioria é de gente fina, mas eu conheço pessoas ordinárias, sobretudo uma,  que bota ordinarice  nisso…

+++++++++++++++

Quer piadas bem contadas (escritas)????  Clique aqui

Não vou dizer que é melhor que piadas, mas é diferente, conheça músicas de  Nando Távora.  Quem não  se lembrar de Adoniran ganha um doce. Clique aqui.  A da Piaba, propriamente dita, não está no Youtube, mas garanto que você vai gostar de todas.

Chuva Cacete??? Bota Cacete Nisso!!!

Logo mais, às nove,  apresentação de amiga minha que faz teatro amador, a uns quatro/cinco  quilômetros de casa.  Meu plano era ir a pé.  Com essa chuvinha, vou ser obrigado  pegar o  carro e escrever um pouco mais.

Aproveito e repito , mais uma vez, piada curta, como devem ser todas as piadas, e  oportuna para dias assim.

Chuvinha fina e insistente , senhor formal, de terno, colete,  chapéu e guarda-chuva, queixa-se para mulher na rua:

– Chuva cacete!!! (em tempo, cacete é como os velhos falam quando querem dizer chato) – Voltando, o senhor fala:

– Chuva cacete, hein!!!

A mulher:

– Chupo, sim senhor!!!

++++++

Passei o dia praticamente  inteiro  no carro e não devo ter percorrido nem  15 quilômetros.  Pelo jeito, S. Pedro quer fazer barba e cabelo.  Já me tuchou horas a fio durante o dia no carro e não vai poupar meu começo de noite.  Se ele e o trânsito continuarem  de mau humor, são  capazes até de me fazerem  perder o espetáculo, que começa só daqui a uma hora e vinte minutos.

INFERNO!!!

Contar Piada

Todo mundo gosta de contar piada.  Pouca gente sabe contar piada.

Adoro criança; bebês com pouquíssimos meses nos carrinhos me seguem com os olhos o quanto podem, quase torcem o pescoço;  aliás,   adoro gente. Não gosto de bicho, bicho doméstico, principalmente cachorro.   Elefante, leão, girafa, avestruz, absolutamente me incomodam.  Já o cachorro e dono com aquelas coleiras elásticas que ocupam a calçada inteira… Sem comentários.

Voltando, adoro crianças, mas criança contando piada…   Elas esquecem,  recomeçam e quando terminam não mencionam o principal.

Muitos adultos também transformam piada em sofrimento;  quando terminam,  o outro  ri. Ri de alívio!!!  Os caras botam  a piada na forma indireta e  é um tal de :

– Aí ele disse; então o outro falou;  daí, ele disse de novo.

Não há quem aguente.

Conheço mais de mil piadas.  E sei contar.  Mas conto uma; no máximo duas por período e, sempre, com relação aos assuntos que estão em baila.

A piada tem que ser objetiva, direta e, principalment, curta.

Comece treinando com essa aqui.

O assunto é política ou corrupção.  Pergunte:

– Sabe qual é o prato predileto  do …..???  (aí você preenche com o político que você considera o mais corrupto;   eu escutei  e conto com o nome do maior corrupto que já houve na nossa política, quiçá no mundo, mas não vou dizer aqui).

O seu amigo vai falar que não.  Responda seco:

– Ro(u)bá-lo com furtos do mar.

É isso!!!  Sem o menor floreio.

E sem esquecer detalhes. Uma vez contei piada para um parente e ele morreu de rir.   A mulher dele ficou enlouquecida:

– Eu contei essa piada para você ontem e você não achou a mínima graça.

Lá vai a piada que eu contei.

Sujeito diz ao médico:

-Doutor, eu acho que estou com amnésia.

O médico não escuta e pergunta:

– O que?

O sujeito:

– O que o que???

Segundo meu parente, a mulher contou para ele.

O sujeito foi ao médico e disse que estava com amnésia e o médico perguntou:

– O que???

Meu parente jura que a mulher parou aí.

Por essas e  outras, uma frase minha e um verso do Grande Sambista do Caiubi,  Nando Távora.  Primeiro a minha frase e o verso do Nando para fechar com chave de ouro e de forma definitiva o assunto.

“Fazer samba não é contar piada” e contar piada não é fazer romance!!!

Verso do Nando:

“Piaba na ponta da linha é uma alegria só.  Piada mal contada é coisa de dar dó”.

Nando mata a pau o assunto.

++++++++++

Essa música do Nando, especificamente, não encontrei no Youtube, mas veja/ouça outras músicas de Nando .  Ele presta algumas homenagens ao Grande Adoniran, como Barraco Apertadinho.  O cara é ótimo. É uma música melhor do que a outra.  Aliás, mais uma piadinha, para ser contada assim, rápido.

– Qual é o número que representa os Gays???

O cara vai dizer: 24.

Você responde:

– Não.  É o onze: um atrás do outro.

A Morte nos Versos de Millôr e na Piada Popular

Mais uma vez (e vou repetir muito isso daqui pra frente), lanço mão da sabedoria e versatilidade do Millôr.

POESIA   MELANCÓLICA   OLHANDO  UM    LIVRINHO   DE   ENDEREÇOS – Millôr Fernandes

Caderninho preto

(Espécie de Anais)

Onde estão escritos

Todos os locais

Em que os amigos

Já não moram mais

+++++++++++++++

Naquela semana, alguns anos atrás, tinha contado para o meu pai piadinha muito boa.  Lá vai:

A maior preocupação de dois jovens que jogavam muito bem futebol era descobrir se havia futebol após a morte.  Assim, eles combinaram que o primeiro que morresse iria se empenhar para de alguma forma aparecer e avisar para o outro se havia ou não futebol.  Um deles morreu muito cedo e cumpriu a promessa.  Apareceu para o outro e contou:

– Legal, meu,  lá tem futebol.

O que ainda estava por aqui ficou eufórico.  O outro concluiu:

– E você já está escalado para o jogo do próximo  mês !!!

Pois bem, eu e meu pai  estávamos de carro  na região do Estádio do Morumby.  A cada rua que eu entrava, ele lia o nome e dizia:

– Esse aí era juiz quando eu comecei a advogar.     (como se sabe, só pessoas mortas podem dar nomes às ruas).

Virava um esquina, e meu pai:

– Esse formou-se no ano em que entrei na faculdade.

No terceira ou quarta rua batizada com colegas dele que já estavam no andar de cima, como o rapaz da piada, eu disse:

– Pai.  Pára com isso.  Daqui a pouco um deles vai aparecer e dizer assim:

– Hiram, já estamos polindo a placa da sua rua.

Contei para uma sobrinha e ela morreu de rir.