Arquivos da categoria: Críticas Não Especializadas

Big Brother, O NADA ABSOLUTO

“Dia de muito, véspera de pouco” e,  completo, antevéspera de saldo negativo.

Semanas anteriores na Globo, a excelente mini-série  LIGAÇÕES PERIGOSAS;  agora, BIG BROTHER!!!

Já escrevi o suficiente sobre esse NADA ABSOLUTO.  Se alguém tiver algum ínfimo  interesse em passar os olhos por  considerações minhas a respeito dessa coisa, clique aqui.  Talvez, em seu lugar, eu não me preocuparia em saber o que alguém pensa, por mais que se goste dessa pessoa,  a respeito “DESSA COISA NENHUMA”.  Corrigindo, acho que até dá para ler, pois não falo da coisa em si!!!

Duas Sugestões Encantadoras Para Presentes de Natal

Nessa última sexta-feira, alguns conhecidos  e eu lembrávamos como as palavras/expressões  são perecíveis, passam, literalmente, voando e, em pouco tempo,  quase ninguém se lembra.  Como sempre gostei delas,  lembro-me de tudo o que ouvi/li.  Quando era jovem, comerciantes anunciavam que seus produtos eram  para crianças de oito a oitenta anos.

Pois eu tenho duas sugestões de livros para presentes  de Natal das quais  é impossível alguém não gostar.  Aliás, são de dois amigos: o jovem poeta Ni Brisant,   SE EU TIVESSE MEU PRÓPRIO DICIONÁRIO e o do redator de humor e cartunista   Fernando Vasqs OSTRAS AO VENTO.

Leia alguns trechos e resista se for capaz.

“Se Eu Tivesse  Meu Próprio Dicionário”

 

FORRÓ –

O sonho

da Valsa

 

DOUTOR –

Socorro

que vem depois do dodói!

 

ÓCIO –

Invenção

de quem não tinha o que fazer

+++++++++++++++++++++

OSTRAS AO VENTO – Humor disposto a nada

 

Cores

Se todo mundo fosse pintado de azul, para acabar com o preconceito, ainda assim os azuis-claros se achariam superiores.

 

Estatística etílica

É de 50% a probabilidade de um bêbado matar um pernilongo.  Como ele vê dois, é certo que um ele pega.  Pode não ser o verdadeiro,  mas vá convencer o bêbado.

 

Cena

Sujeito gordinho aguarda o ônibus à sombra de um poste.  Quer dizer, 50% à sombra de um poste.

++++++++++++++++++++++++++++

Gostou???  E vai gostar mais ainda dos Preços.

Ostras ao Vento – R$ 20,00 + despesas de correio – PEÇA PELO E-MAIL: fvasqs@bol.com.br. Formato 14×21 cm ; capa cor , miolo p&b; 104 páginas;

Se eu Tivesse Meu Próprio Dicionário – R$ 10,00  + despesas de correio.

O Dicionário e os  outros livros do Ni Brisant  estão disponíveis neste site http://literarua.commercesuite.com.br/acessorio/kit/kit-para-brisa. E também podem ser pedidos  pelo e-mail do autor nibrisant@gmail.com

Chico – Artista Brasileiro – Documentário Espetacular para Artista Espetacular

O filme  Chico – Artista Brasileiro, sobre Chico  Buarque,  é espetacular.  O “cartaz” que recebi pelo facebook é uma crítica sucinta e absolutamente verdadeira.

Adianto que imagem que o Brasil inteiro tinha de Chico, de artista  tímido, é absolutamente falsa.  Ele mesmo contou que, desde criança, sempre gostou de cantar e fazer graça para a família e amigos.  Aliás, contou rindo, rindo muito.  A não ser que eu tenha entendido mal,  Chico  passou a ter  certo desconforto no palco quando em um espetáculo seu na Europa, depois do estrondoso sucesso com a Banda,  havia menos de uma dúzia de pessoas na plateia.

No seu lugar,  não perderia o filme em hipótese alguma.

Para terminar, sugeriria que a mesma Equipe de  Chico – Artista Brasileiro  fizesse documentários semelhantes com nossos outros grandes ídolos da MPB. Ocorrem-me agora Roberto Carlos, Erasmo, Wanderléa,   Edu Lobo,  Toquinho, Caetano, Gil, Jorge Benjor, Paulinho da Viola, Tom Zé, meu conhecido da Padaria Nova Charmosa,  os Mutantes.  Grandes músicos brasileiros  que merecem documentários semelhantes não faltam.  Eu não perderia filme algum sobre esses nossos ídolos.

O cartaz abaixo, em poucas palavras, diz tudo.  Ou melhor, diz exatamente o que  penso.  Tá certo que eu não usaria o verbo amar,  mas, de fato,  adorei!!!  É para sair do cinema feliz e orgulhoso de o Brasil ter um artista como ele.

Não deixe de assistir
Não Perca.

Assista ao Trailer.  Duvido que você resista.  Clique aqui

Fábio Moraes – Guarde Esse Nome. Você Ainda Vai se Divertir Muito Com Ele!!! Aqui, uma Amostra Grátis

Stand-up Comedy – Comédia em Pé –  O humorista fica cerca de 45 minutos, uma hora, contando diversas histórias engraçadas, umas entrelaçadas nas outras.   Não, eles não falam  piadas e também é diferente de Teatro de  Improviso.

No Teatro de Improviso,  o público   sugere  um tema e os atores representam, de improviso,  uma rápida cena  com o que foi proposto.  A plateia  também pode escolher se quer que os atores façam uma cena cômica, de mistério, de amor, de suspense, enfim, de todos os gêneros de teatro.

Na Comédia em Pé, são os próprios humoristas que  escrevem seus textos, decoram e falam para a público no Teatro.   Uma ou outra fala é criada no momento, a respeito de algo que acontece na plateia ou tenha sido notícia no jornal ou telejornal daquele dia/noite.

Assisto, assisti, a praticamente todos, exceto um cara muito chato que também faz isso em um programa de TV.  O pessoal do CQC faz  Comédia em Pé e existe até um teatro na Rua Augusta,  Comedians (muito mais simpático seria o nome em Português) depois da av. Paulista, em direção ao Centro, Zona Oeste de São Paulo,   onde praticamente só há espetáculos de Comédia em Pé.

Sábado passado fui assistir ao Paranaense Fábio Moraes, à meia noite,  no Teatro Folha,  Shopping Pátio Higienópolis.  Nome do Espetáculo – Afinal, O Que Querem as Mulheres??? Praticamente  hora e meia  em que pessoa alguma consegue ficar mais do que dez/quinze segundo sem rir.  Certamente  é a última apresentação dessa temporada dele no Teatro Folha.

Clique aqui, conheça a fera e resista se puder.

Quer mais, Clique aqui 2

Mais ainda???  Vá ao Teatro Folha, sábado agora, 19/9, à Meia Noite (de sábado para domingo,óbvio, mas prefiro ser óbvio a causar confusões).

Documentário e Comédia Imperdível – Os Dois Por um Único Ingresso

Trailer de filmes costumam ser chatos e, muitas vezes, passam ideia errada.  Se o filme é de ação, por exemplo, tucham (enfiam)  um monte de cenas com muito movimento, cortes rápidos, aumentam uma barbaridade o som e pronto: têm-se o rascunho do inferno.

O filme Que Mal Fiz a Deus? me agradou desde o trailer .  Talvez por o trailer ter sido bem editado, mesmo porque não há cenas chatas.

De lambuja, abrindo a programação, fabuloso Documentário PAI , a propósito do Dia dos Pais, sobre a história do nosso ídolo, o tenista  Gustavo Kuerten, cujo pai morreu em uma quadra de tênis muito jovem.  O carismático Guga, praticamente,  encontrou   no técnico Larri Passos um novo pai.  Sem contar o apoio que sempre recebeu da mãe, da avó e do irmão Rafael.  Tudo isso, muito bem dosado, o levou ao Tri-Campeonato de  Roland Garros, ao topo do Ranking da ATP, Associação dos Tenistas Profissionais e a se tornar, não o maior ídolo do Brasil,  certamente o mais simpático.  Tanto é que já parou de jogar há alguns anos e continua requisitado para publicidades em geral.  Em uma crítica que li, além de  dizer que talvez seja considerado o vídeo do ano,  a qualidade do filme fica sintetizada em uma única  linha:

“Fantástico, tocante e emocionante. A história por trás de um ídolo!”

Já a produção francesa do ano Passado  Que Mal Fiz a Deus?   é sobre uma preconceituosa  família francesa, com pais católicos fervorosos, cujas filhas se casam com um árabe, um judeu, um chinês e um negro africano.  O desespero dos pais vai se transformando e, lógico, tudo acaba bem com muito humor e confraternizações.

Se quiser assistir ao documentário sobre Guga, clique aqui

Trailer  do Que Mal Fiz a Deus, clique aqui

Só faltou a Pizza para ser um fim de domingo perfeito!!!

Master Chef, Escolha Infeliz do Prato

A propósito do Master Chef de Hoje,  interessante a observação que a empregada do meu irmão fez.

Minha cunhada falou que faria um jantar e que o prato principal seria suflê.

A empregada foi taxativa:

– Dona Helena,  tenho o maior  prazer em fazer suflê, mas  as visitas é que têm que esperar o suflê e não o suflê esperar as visitas.

Bem, isso quer dizer que foi muito infeliz a escolha de suflê na prova eliminatória de hoje do Master Chef.

O suflê saiu do forno, tem que ser comido.  Caso contrário, em geral murcha, mas sempre dá errado se não for consumido nos minutos seguintes.

Apesar de a regra  ter determinado apenas um tempo máximo para o preparo e não o tempo mínimo.  Todos usaram o tempo máximo e  era lógico que os últimos suflês a serem avaliados seriam prejudicados.

Na verdade nem me lembro se o eliminado foi o último a ter o suflê testado.

O fato é que a escolha do prato foi infeliz; muito infeliz.

Peguei o programa pelo meio, pois, apesar de gostar de comida, prefiro o teleteatro da Globo; hoje era dia de Tapas e Beijos.

Repetindo, peguei o Master Chef  já começado; quando mudei de canal,  estava um chef  muito simpático; minha namorada  disse-me agora, por telefone,  que é o dono do Mocotó.  Aliás, já ouvi excelentes referências a ele.  Pois bem,   deveria ficar esse chef de jurado,  sujeito delicado, atencioso  e que sempre tinha palavra positiva para os participantes.  Os outros três deviam ser eliminados, para usar palavra dos reality shows*  da vida (*detesto terminhos em inglês, como os eventuais leitores do Trombone já sabem).

Melhores Perfumes nos Pequenos Frascos; Acontece Algo Semelhante na TV.

O provérbio:  É nos pequenos frascos que se encontram os melhores perfumes.

Daria para dizer algo semelhante em relação à televisão:  é de madrugada que se encontram (excetuando-se o tele-teatro – não novela-  da Globo)  as poucas coisas que prestam.  Ou seja,  é nos piores horários (se pensar bem, até nos menores; já que os bons programas são a uma hora da manhã) que estão as poucas coisas boas para se assistir.

Mas também  não basta ser de madrugada para prestar.  Tem nego famoso com programa de madrugada que é uma chatice só.

Já Danilo Gentile e  Rafinha Bastos (que saiu do ar) eram excelentes.  Como os melhores  perfumes que estão nos pequenos frascos, esses programas eram/é nos piores horários.  É pena o programa do Danilo ter esse nome bobinho: The Noite.  Talvez seja ironia.  Mas ironia que precisa ser explicada…

De nobre, o horário da Televisão só tem  os ponteiros nos horários mais assistidos, já a programação…

Cinquenta Tons de Cinza – Pior do que Isso é Ir ao Dentista

O Guia da Folha foi claro ao classificar o Filme  Cinquenta Tons de Cinza  com uma bolinha negra que significa ruim.  Pois bem, eu acho que além da bolinha negra de ruim, Guia da Folha poderia Ter uma Caveirinha para  PÉSSIMO.  Se houvesse a tal Caveirinha, o filme deveria receber Duas Caveirinhas.  Explicando que duas caveirinhas não deveriam significar que o filme é o dobro de Péssimo, mas sim que é Péssimo ao Quadrado.

O filme não merece que eu gaste mais minha cabeça, tampouco  meus dedos e teclado para explicitar o quão Péssima ao Quadrado é a coisa.  Menos ainda que eu tome o tempo dos  leitores.    Pior do que assistir ao filme, só ir ao Dentista!!!

Tá Certo Isso, Família Marinho???

Hoje na Globo, depois da Novela:

22:19 Big Brother –  Aquele  Nada Absoluto (por minha conta a definição)

23:00  Luz Câmera 50 anos  As Noivas de Copacabana.

Ora, não seria de muito mais justo e útil, sob todos os aspectos, que  houvesse inversão nisso.  É de se supor que aqueles que assistem BBB não devam ter compromissos na manhã do dia seguinte, ao contrário dos que se interessam por  As Noivas de Copacabana, que tem excelentes elenco e direção.

Parodiando  Galvão Bueno, da Própria Globo, quando diz – “Tá Certo isso, Arnaldo”???, eu pergunto: Tá Certo Isso, Família Marinho???